domingo, 17 de janeiro de 2016

Marcha para Satanás ocorre hoje (17) em ao menos 15 cidades

Manifestação será realizada tanto em capitais quanto em municípios do interior do Brasil


Na tarde deste domingo (17), a partir das 15h, diversas cidades brasileiras assistirão a um movimento, em tese, diferente: a Marcha para Satanás.

Embora o nome soe forte e a imagem principal do evento, para muitos, mais ainda - um ser "diabólico" e os apóstolos devorando um corpo humano na mesa da Santa Ceia - o evento pode ser visto como uma espécie de antítese à Marcha para Jesus e bradará contra tópicos como ampliação da isenção de impostos perantes as igrejas, intervenção de grupos religiosos no âmbito do STF e modificações na Lei de Atendimento de Vítimas de Violência Sexual, entre outros.
Algumas das cidades que receberão o movimento são: Uberlândia (Praça Sérgio Pacheco), Cuiabá (Praça das Bandeiras), Rio de Janeiro (Praia do Diabo), São Paulo (avenida Paulista), Porto Alegre (Usina do Gasômetro), Belo Horizonte (Praça da Liberdade), Vitória (Praia de Camburi), Aracaju (Centro), Campinas (Largo do Rosário), Maceió (Pajuçara), Fortaleza (Praça da Gentilândia), Sorocaba, Curitiba (rua XV), Brasília (Esplanada), Goiânia (Praça Universitária), Salvador (Dinda, Rio Vermelho) e São Carlos (rua Jacinto Favoretto)

Carros de som da “Marcha para Satanás” tocarão músicas da Xuxa de trás pra frente

mp

Testemunho de mulher resulta em mais de 40 mil conversões

Uma mulher, que por questões de segurança não pode ter o nome revelado, mudou a história de sua aldeia no interior da China. Alguns anos atrás, ele saíra de sua terra natal para trabalhar em uma cidade grande, longe de sua família. Depois de algum tempo, ouviu a mensagem do evangelho e tornou-se uma cristã.
Quando foi visitar seus parentes, meses depois, ficou impressionada como sua vida e suas crenças eram tão diferentes dos outros moradores do local. Começou a dar seu testemunho e a anunciar Jesus. Alguns de seus amigos diziam conhecer a mensagem, mas não haviam se tornado, de fato, seguidores de Jesus Cristo. Depois de ouvirem a verdade, se tornaram cristãos.
Uma de suas amigas sofria com uma doença incurável por muito tempo. Os médicos não podiam fazer mais nada e diziam que não havia esperança. No entanto, depois que a doente aceitou a Cristo como seu Salvador, foi curada e sua saúde completamente restaurada.
A partir desta experiência, aquela mulher ganhou coragem para compartilhar sua história abertamente com todos ao seu redor, tornando-se uma missionária mesmo sem treinamento formal.
Na China, embora o governo negue, existe perseguição religiosa contra cristãos e a venda de Bíblias é proibida. Mesmo assim, aquela mulher enfrentou as dificuldades e perseguições. Logo viu que muitas pessoas da cidade passaram a procurá-la para ouvir o que ela tinha a dizer. Dentro de pouco tempo, até os moradores das aldeias vizinhas ouviram sobre o Cristo vivo e o poder de Deus.
Segundo relata a Mission Network, em pouco tempo havia uma igreja organizada. Mas eles não tinham Bíblias. Estima-se que naquele local remoto no interior da China que anos atrás não tinha sequer um crente, hoje reúne cerca de 44.000 cristãos.
Através de contatos com outras igrejas chinesas, a organização Bibles for China distribuiu recentemente milhares de Bíblias naquela região. A imensa maioria recebeu uma cópia pela primeira vez.
Por questões de segurança, não há vídeos dessa distribuição, mas deve ter sido semelhante ao que foi divulgado nesse material recentemente.

2016 COMEÇA NADA ANIMADOR

Caros amigos e irmãos que acompanham este blog, começamos mais um ano novo de maneira nada animadora para aqueles que ainda se negam a exercer fé em Cristo Jesus e no seu sacrifício.
Conforme temos expressado nos últimos anos, temos percebido forças atuando no âmbito mundial, impelindo o conceito "religião" a estar no centro da crise internacional, principalmente, no território daqueles que são considerados países líderes no organograma geopolítico mundial.
Não param de chegar notícias de todos os lados, alertando para o perigo provocado pelo fanatismo religioso em várias partes do mundo...
As populações dos países líderes, bem como seus respectivos governos, estão sendo convencidos a cada dia de que a "religião" é uma ameaça à estabilidade internacional.
Por exemplo, o Réveillon em vários países da Europa foi dominado pelo medo do terrorismo. Vários tipos de atrações foram canceladas, a exemplo da tradicional queima de fogos na Torre Eiffiel. Aglomerações de pessoas em Nova York, Los Angeles, Berlim e Londres foram desestimuladas.
Na Alemanha, ataques sexuais em série no Réveillon em Colônia aumentaram o medo e revolta no país, principalmente contra os imigrantes vindos do Oriente Médio e do norte da África.
Na Bélgica, o governo tomou a iniciativa de cancelar as atrações para comemoração do ano novo em Bruxelas e recomendu a seus cidadãos que evitassem grandes aglomerações.
Assim, percebemos como o medo do fanatismo religioso já está alterando a vida normal das pessoas nos países líderes. Podemos dizer que em várias partes do mundo, como os EUA, Austrália, Grã-Bretanha e Alemanha, o clima na passagem de ano ficou igualmente em suspense...
Como se não bastasse esse clima de terror instalado, os serviços de investigação europeus receberam mais um dado alarmante que foi amplamente noticiado no início deste ano: os jihadistas são em muitos casos originários, justamente, dos países que são alvo dos ataques!!!
Ou seja, a política européia de boa convivência com populações islâmicas não tem surtido um efeito apaziguador. Pelo contrário, extremistas que gravam vídeos ameaçadores aparecem falando um inglês britânico com sotaque londrino perfeito.
Isso quer dizer que essas pessoas se tornaram fanáticas religiosas mesmo estando expostas por anos a toda uma atmosfera de liberdade nos países ocidentais.
Nações de tradição cristã estão vendo vários de seus cidadãos se convertendo ao islamismo, principalmente os jovens, e se alistando em milícias terroristas no Oriente Médio.
Assim, em vista de todos esses acontecimentos, conclamamos você leitor a observar atentamente de que forma a "religião" está sendo vista atualmente como uma fonte de problemas.
Até quando a população das nações ricas suportarão estarem submetidas a esse clima de terror promovido pelo extremismo religioso? Não sabemos... Se considerarmos a revelação profética das Escrituras, veremos que a maior parte de toda a população mundial aceitará ser "marcada".
Aí estão os pretextos ideais para tal. Melhorar a identificação, a vigilância, o monitoramento e, principalmente, a segurança nas transações de compra e venda, evitando roubos e assaltos, como se dá atualmente com o dinheiro de cédulas.
A "marcação" de todos os cidadãos propiciará aos governos eliminar de forma racional os enormes gastos com segurança interna. Os terroristas, ladrões, traficantes e marginais com certeza ficarão temerosos em agir, ao saber que estão sendo monitorados, junto com toda a população, 24 horas por dia. É a receita certa para o simulacro de paz mundial (1 Tess. 5: 3).
Por outro lado, vemos em Apocalipse 17:17 que o próprio Senhor vai incutir nas intenções dos governos e da população ímpia em geral o desejo de destruir toda "a religião falsa" existente, chamada na Bíblia de Babilônia, a Grande.
Toda e qualquer crença que não tenha por base a fé em Cristo Jesus e a obediência aos seus princípios deve ser, corretamente, englobada nessa descrição bíblica.
Assim, em vista de todos os acontecimentos, observamos que as bases para a futura destruição de qualquer "crença fundamentalista e inegociável" já estão sendo lançadas. Por "crença fundamentalista e inegociável" leia-se também a nossa fé no Senhor Jesus.
Apesar de não usarmos a violência, a nossa fé é inegociável com os princípios corrompidos do mundo de Satanás e fundamentada unicamente na orientação de Cristo Jesus conforme contida nas Escrituras Sagradas. Não aceitamos nenhuma outra orientação que não provenha dessa fonte.
Alguém poderá perguntar: Mas, a crença que nutrimos em Cristo será destruída junto com todo o conjunto da "religião falsa", Babilônia, a Grande? Em hipótese nenhuma isso acontecerá, pois o próprio Jesus disse que nem os portões do hades venceriam a sua Igreja.
O que acontecerá então? Acreditamos que os governos, junto com toda a população incrédula, na sua tentativa desesperada por alcançar paz, controle ambiental, estabilidade econômica e se livrar do extremismo religioso, vão impor a toda e qualquer expressão religiosa um controle paranóico que, com o tempo, se tornará cada vez mais insuportável para qualquer um que alegar uma fé religiosa.
É nesse contexto de paranóia e desconfiança mundial contra a "religião", que nós seremos alcançados pelo ódio e perseguição dos dez chifres políticos, conforme predito nas Escrituras (Apocalipse 17:12-14).
Mas, conforme sabemos, a Igreja de Cristo não terá o mesmo fim catastrófico que aguarda a grande prostituta religiosa que tem sido usada por Satanás para enganar a humanidade por séculos.
Começamos o ano com o cenário profético avançando a pleno vapor. As profecias sobre a devastação de Damasco estão se cumprindo diante dos nosso olhos, conforme Isaías 17:1, com milhões de sírios abandonando seu país.
Será mera coincidência que a realidade atual na Síria se encaixe no profetizado por Isaías 17:1? Por que nos chamados "grandes púlpitos cristãos", praticamente, se faz silêncio sobre esse assunto?
Também, aguardamos o desenrolar dos acontecimentos referentes à Rússia para ver de que forma se dará o cumprimente de Ezequiel 38 e 39. A presença russa ao norte de Israel em operações militares na Síria deveria deixar as grandes lideranças cristãs em alerta.
No entanto, muito pouco tem sido divulgado sobre a possibilidade de que uma importante profecia bíblica pode estar às vésperas de seu cumprimento.
Continuaremos atentos, também, ao desenrolar das crises no cenário econômico, visto que está sendo previsto um ano penoso para o Brasil, acompanhando, igualmente, as frequentes quedas assustadoras das bolsa chinesa. Também estaremos atentos às crises nos aspecto ambiental onde verificamos desordens climáticas em vários cantos do globo.
Acresça-se a tudo isso o cumprimento das palavras de Jesus sobre o surgimento de pestilências no tempo do fim (Lucas 21:11). Temos visto nos últimos tempos o surgimento de pestes como ebola, zica vírus e sua consequente microcefalia, AIDS, gripe aviária, etc.
Tendo em vista todo esse quadro aterrador, fica difícil para nós desejar-lhes um "Feliz Ano Novo", nos moldes do que é desejado no mundo. Desejamos sim uma "Feliz Vida Nova" em Cristo Jesus.
Rogamos a todos os irmãos que fiquem atentos, pois cremos que o nosso inimigo fará todo o possível para nos jogar na sonolência espiritual e nas distrações deste mundo, com o objetivo de que não percebamos que o nosso Senhor está às portas!

segunda-feira, 11 de janeiro de 2016

Achado arqueológico confirma milagre de Jesus

O Novo Testamento menciona uma visita de Jesus ao nordeste do Mar da Galileia, onde existia assentamentos judaicos. Lá ele encontrou um homem possuído por demônios e o libertou. Para mostrar a todos o que estava acontecendo, ordenou que os espíritos imundos se apoderassem de porcos, que se atiraram de um penhasco para o mar.
O relato bíblico, ocorreu em Kursi, local situado no antigo território dos gadarenos. Essa informação parece ter sido comprovada agora por arqueólogos.  “A presença de um assentamento judaico na costa oriental do Mar da Galileia é um fenômeno muito estranho”, disse Haim Cohen, pesquisador da Universidade de Haifa, em Israel, em entrevista ao Daily Mail.
Uma pedra de mármore, medindo 1,40 metro por 70 centímetros foi encontrada no Lago Kinneret (Mar da Galiléia). Na superfície há uma inscrição em hebraico onde os especialistas foram capazes de identificar as palavras ‘amém’ e ‘Marmaria’, o que pode significar tanto “Maria” mãe de Jesus, quanto uma referência ao rabino.
O professor Michal Artzy explica que o texto “é composto por oito linhas”, o que é raro, pois “geralmente não são muitas palavras com letras hebraicas esculpidas em pedra”. Ele acredita que a pessoa que a inscrição se referia “teve uma enorme influência sobre a população local”. Ela começa com as palavras “lembrados para sempre.” Para os primeiros cristãos a libertação de uma pessoa possuída era considerada um milagre.
Na verdade, a existência do assentamento judaico na região era conhecido desde a década de 1960. No entanto, somente agora, com a descoberta dessa placa de mármore com mais de 1.500 anos de idade confirma sua presença. Afinal, ela estava nas ruínas do local onde teria funcionado uma sinagoga.
A descoberta só foi possível graças a uma queda no nível de água na região, que permitiu aos arqueólogos continuar suas escavações em Kursi, um distrito que fazia parte da antiga Decápole. Próximo às ruínas dessa antiga igreja, há uma montanha que desce para o mar, conforme é descrito na Bíblia.
As escavações mostram que nos séculos V e VI, uma igreja foi construída no local. Ela seria uma “marca” do evento bíblico, prática comum durante o domínio do Império Bizantino em israel. O local foi destruído pelo exército persa em 614 a.C. Foi reconstruído, mas novamente destruído — desta vez, por um incêndio.
O apologista cristão Steve Ray explica que Kursi foi sede do o maior mosteiro em Israel, sendo um local muito conhecido pelos primeiros cristãos.  “Quanto mais a arqueologia descobre, mais a Bíblia é confirmada”, resume Ray. Com informações Bretbart e CBN

Código da Bíblia aponta que 2016 poder ser “o ano do Messias”

Apesar da grande polêmica envolvendo os chamados “códigos da Bíblia”, o rabino Mattityahu Glazerson, especialista no assunto, defende uma ligação entre o ano de 2016 e a chegada do Messias judeu.
Glazerson publicou um vídeo onde analisa o texto de Gênesis 49:1. A passagem, que narra os instantes finais da vida do patriarca Jacó traz uma espécie de profecia sobre os “dias vindouros”, na tradução em português. Contudo, para os especialistas, o termo ali é “Fim dos Dias”, que também aparece em Números 24:14 e Deuteronômio 4:30 e 31:29.
Uma vez que cada letra hebraica tem um valor numérico, uma tradição judaica usa um sistema que procura encontrar significados em textos hebraicos, calculando seus valores numéricos. Este sistema é conhecido como gematria. Com base na tradição mística do judaísmo, Glazerson calcula que o valor numérico das duas palavras do original de Gênesis 49: 1 “te sucederá” é igual a 772.
Isso seria corresponde ao ano hebraico 5772 que foi 2011-2012. No vídeo, Glazerson explica que a vinda do messias não ocorreu então porque Israel “não têm as condições para isso, o arrependimento e a fé”.
No entanto, Glazerson salienta que o ano hebraico 5775 (2014-2015), que foi um ano sabático, também tinha indicações claras de que poderia ser [o ano do] Mashiach (Messias). Como esse ano já terminou, ele afirma que a gematria pode insinuar que o atual ano hebraico de 5776  – que começou em 13 de setembro de 2015 – por ser um ano de jubileu, oferece significado extra para o sincronismo.
Em declarações ao site Breaking Israel News, o rabino Glazerson disse que a prosperidade deste ano é reforçada por uma tabela estatisticamente rara. O quadro que ele estabeleceu traz a frase “HaMashiach Purim” (o Messias no Purim). A conclusão do estudioso é que isso pode apontar para o próximo feriado de Purim (23 de Março, 2016).
As tradições da gematria dividem judeus há séculos, pois muitos consideram apenas misticismo. Glazerson insiste que na tabela desse texto há códigos para uma série de conceitos messiânicos, incluindo Ben Yishai (uma referência ao filho de Davi), de quem o Messias é descendente. As palavras hebraicas Ben Yishai cruzam com o verso completo de Gênesis 49: 1.
O rabino finaliza o vídeo dizendo que descobriu o código para Mashiach na interseção do corrente ano com as letras hebraicas que formam o nome hebraico de Eliyahu (Elias, o profeta) que irá anunciar a chegada do Messias.
Diferentes correntes do judaísmo têm falado sobre a vinda iminente do Messias. O rabino Chaim Kanievsky, uma das maiores autoridades do judaísmo ultra ortodoxo, está pedindo que todos os judeus voltem para Israel o mais rapidamente possível. O entendimento é que essa é uma ação espiritual que marca a vinda do Messias.
O rabino Amram Vaknin, 76 anos, é conhecido por ter previsto conflitos armados em Israel, como a Operação Pilar de Defesa (2012) e Operação Borda de Proteção (2014). Recentemente, afirmou que Israel enfrentará uma guerra e depois “Estaremos chegando perto do grande dia do Mashiach. Temos de estar prontos e preparados”.
Numa reunião de 6000 rabinos do movimento Chabad-Lubavitch, uma das maiores organizações judaicas do mundo, clamaram a Deus que apresse a vinda do Messias.

Novo Pentecostes? Mil judeus aceitam a Jesus como Messias numa única noite

Em meio a inúmeros relatos de conflito raciais, ataques terroristas e tensão religiosa, há algo diferente no ar em Israel. Segundo a revista Charisma, é a presença sobrenatural de Deus em um grande avivamento.
Pela primeira vez em quase dois mil anos há o registro de 1.000 judeus ouvindo e aceitando o evangelho de Jesus Cristo ao mesmo tempo. A reunião em Tel Aviv lotou o espaço para conferências utilizado pelo ministério do judeu convertido Sid Roth.
Pregando em inglês, com tradução simultânea para o russo, o evento atraiu um público incomum para um evento desses realizado em solo israelense. Segundo a Charisma, foi algo comparado ao relato do Livro de Atos.
Embora Israel seja o país com maior liberdade religiosa do Oriente Médio, judeus que confessam a Jesus como Messias enfrentam dificuldades em seu convívio social. Menos de dois por cento da população de Israel afirma ser cristã.
Sid Roth é um pregador pentecostal, conhecido nos Estados Unidos pelo seu programa de TV It’s Supernatural [É Sobrenatural]. Há anos ele tem falado sobre um avivamento em Israel antes da volta de Jesus.
Seu ministério também abriga a Visão Messiânica, que trabalha especificamente na evangelização de judeus. O evangelista tem viajado regularmente a Israel para encontros do tipo, mas relata que nas últimas viagens a recepção à mensagem tem sido sem precedentes.
Ele tem apelado para que a Igreja ore por um mover entre os judeus nestes últimos dias. Sua pregação em Tel Aviv exaltou o amor incondicional de Deus. Depois começou a orar pelo toque de Deus na vida das pessoas presentes no encontro. Enquanto orava pela cura física, centenas levantaram as mãos, afirmando que haviam recebido o milagre.
As Escritura declaram que o judeu exige sinais (1 Co 1:22). Logo em seguida, Roth fez o convite para quem queria fazer de Yeshua (Jesus) seu Messias e Senhor. Quase todos os presentes levantaram-se e fizeram a oração de arrependimento e salvação. Pastores messiânicos locais irão acompanhar e discipular aqueles que tomaram a decisão de seguir a Jesus.

Postagem em destaque

Em 1/3 dos países do mundo é proibido evangelizar

As leis que proíbem a blasfêmia são “alarmantemente difundidas” em todo o mundo, com muitos países estabelecendo punições desproporcionais,...