quarta-feira, 19 de outubro de 2011

Cientista aceita Cristo como Salvador

Carl Sanders é um gênio da engenharia eletrônica e foi cientista a serviço do governo americano, trabalhou com o FBI, CIA, FIRS, IRS, IBM, GE, Honeywell, e Teledyne além de agências de governos de outros países, criando para eles tecnologias de espionagens de segurança.


Recebeu o prêmio do Presidente dos EUA e Governador por desígnio de excelência. O cientistas possui inúmeras patentes e foi recompensado pelo seu Mérito e Excelência de suas invenções. 

Sanders assistiu a 17 encontros da “Nova Ordem Mundial” ao lado de líderes mundiais, onde se discutiam planos que permitiriam a instalação do Sistema Mundial Único. O governo lhe deu a missão de criar um microchip para identificação e controle dos povos do mundo inteiro, teria que ser algo minúsculo que tivesse as características necessárias para ser implantado sob a pele, através de agulha hipodérmica. 

Carl Sanders, com uma equipe de engenheiros ao seu lado, e sustentado por somas significativas de dólares, se lança ao projeto e desenha o microchip (do tamanho de um quarto de um grão de arroz).

Arquivo em potencial

O chip tem a capacidade de armazenar páginas e páginas de informações sobre nós. Um histórico geral da nossa vida profissional, nosso boletim judicial, problemas de saúde, bem como todos os nossos dados financeiros. Seu emissor envia um sinal numérico que consiste em impulsos, fornecendo 85 elementos de dados. Ele emite também em intervalos regulares, um sinal análogo criado numericamente. Utilizado como um refletor este sinal envia informações essenciais servindo eventualmente para localizar o seu portador. 

A escolha do lugar mais apropriado 

Segundo Sanders o microchip funciona através de uma pilha de Lithium, recarregável pelas mudanças de temperatura da pele. A equipe do cientista gastou um milhão e meio de dólares para conhecer o lugar mais apropriado para o implante dentro do corpo humano. São dois os lugares mais adequados para o carregamento da pilha de Lithium:

 a testa e o dorso da mão. 

Isso porque o carregamento automático da pilha precisa de mudanças rápidas de temperatura sem falar das suas conseqüências sob a pele. 

"E fez que a todos, pequenos e grandes, ricos e pobres, livres e escravos, lhes fossem posto um sinal na MÃO DIREITA, ou na FRONTE" - Apocalipse 13:16 (ler Apocalipse 13:14 a 16). Obs.: "fronte" = testa. 

Sanders se levantou contra o uso da bateria de lítio porque era de conhecimento que se o invólucro do microchip quebrasse, causaria uma fervura dolorosa e conseqüentemente muita agonia ao hospedeiro. "Então foi o primeiro e derramou a sua taça sobre a terra; e apareceu uma chaga ruim e maligna nos homens que tinham o sinal da besta e que adoravam a sua imagem" (Apocalipse 16:2).

Arrependimento e conversão do cientista
O microchip foi testado e implantado em militares, enviados do governo e funcionários de empresas. Na Guerra do Golfo, em 1991, teve eficácia de 100%. 

Depois que Dr. Sanders deixou o projeto, foi apresentado aos escritos proféticos da Bíblia relativo à "marca da besta". Ele se converteu então à fé Cristã e agora administra seminários neste tópico. Sanders sente-se desolado por ter participado da invenção que faz cumprir uma das maiores profecias do final dos tempos. Hoje totalmente voltado para Jesus, ele crê que o chip é o sinal falado na Bíblia, em Apocalipse 13, 16 a 18.


O irmão Carl Sanders pode ser encontrado no seguinte endereço e telefone:Trumpet MinistriesP.O. Box 2000, Mt. View, AR 72560Phone: (870) 269-6113 Fax: (870) 269-6114

Nenhum comentário:

Postagem em destaque

Cientistas tentam explicar relato do Livro de Josué sobre o Sol parando

Pesquisadores da Universidade de Cambridge, na Inglaterra, publicaram os resultados de uma pesquisa inédita na revista científica Astronom...