domingo, 3 de setembro de 2017

Em 1/3 dos países do mundo é proibido evangelizar

As leis que proíbem a blasfêmia são “alarmantemente difundidas” em todo o mundo, com muitos países estabelecendo punições desproporcionais, que vão desde prisão até a pena de morte.
Um relatório sobre leis antiblasfêmia e anticonversão foi apresentado esse mês pela Comissão de Liberdade Religiosa Internacional, sancionado pelo governo dos EUA. Irã, Paquistão, Iêmen, Somália e Catar ocupam os primeiros postos em uma lista de 71 países que criminalizam pontos de vista considerados blasfemos. Isso representa pouco mais de um terço dos 206 nações do globo.
Na prática, isso significa que uma pessoa não pode mudar de religião e aqueles que ousarem dizer que os ideais religiosos da maioria da população são errados estão sujeitos a serem taxados como criminosos.
“Nós encontramos padrões. Todas essas leis, de alguma forma, se desviam dos princípios da liberdade de expressão. Todas têm uma formulação vaga, que geram diferentes interpretações”, explicou à agência Reuters a autora do relatório, a suíça Joelle Fiss.
O ranking foi estabelecido em como a proibição de uma blasfêmia ou criminalização de um estado viola os princípios do direito internacional. A Irlanda e a Espanha, que possuem leis antiblasfêmia consideradas leves e que raramente são invocadas, preveem apenas uma multa.
Contudo, 86% dos países com leis de blasfêmia preveem prisão para os acusados. A grande maioria são nações islâmicas, que invocam a lei religiosa sharia acima das leis nacionais.
A proporcionalidade da punição foi um critério fundamental para os pesquisadores. “É por isso que o Irã e o Paquistão são os dois países mais perigosos pois eles explicitamente colocam a pena de morte em suas leis”, disse Fiss, referindo-se a legislação que impõem a morte a quem ‘insultar’ o profeta Maomé.
A questão maior é que, se um cristão afirmar que Jesus é Deus ou que é maior que Maomé, já pode ser acusado de blasfêmia. Dentro da prática islâmica, o fato de uma pessoa que nasceu em uma família muçulmana converter-se a outra religião é o suficiente para que ela seja considerada um blasfemador.
Em suma, leis de blasfêmia se equivalem as de anticonversão e podem ser usadas pelas autoridades para reprimir minorias, segundo o relatório. Isso pode servir de pretexto para que os extremistas religiosos fomentem o ódio contra quem pensa diferente deles.
Um caso recente de acusação de blasfêmia envolveu o ex-governador de Jacarta, na Indonésia. Cristão, Basuki Tjahaja Purnama, conhecido como “Ahok”, foi condenado a dois anos de prisão após dizer que não concordava com versículo do Alcorão segundo o qual um muçulmano só deve eleger um dirigente muçulmano.
Ainda segundo o relatório da Comissão de Liberdade Religiosa Internacional, em alguns países como a Arábia Saudita, os tribunais da sharia é quem decidem os acusados de blasfêmia e por isso não existe a necessidade de uma lei específica.
Segundo Fiss, o julgamento é “muito vago”, por vezes bastando a palavra de um acusador, sem necessidade alguma de se apresentar provas. Segundo a sharia, o testemunho de um ‘infiel não islâmico’, não possui valor.

Rede Globo transforma personagem trans em herói

E continuamos indolentes. Até quando?
No ano 2000, a atriz Carolina Dieckmann protagonizou uma cena famosa durante a novela “Laços de Família”, quando raspou a cabeça para mostrar um pouco do sofrimento de quem sofre com câncer. Rapidamente houve uma mobilização social sobre o tema, mostrando que os telespectadores se envolveram com a dor e o sofrimento de quem passava por aquela situação.
Passados 16 anos, a Rede Globo tenta equivaler a catarse coletiva durante esta semana na novela “A Força do Querer”. A personagem Ivana, vivida pela até então desconhecida atriz Carol Duarte, revelou à sua família que se descobriu “trans”, ou seja, apesar de ter nascido mulher sente-se um homem por dentro.
Mesmo assim, ela é apaixonada por Claudio (Gabriel Stauffer) e em breve ficará gravida do rapaz, o que faria de Ivana um “homem trans gay”. Parece confuso? Pois realmente é. Ainda mais que, na vida real, Carol é lésbica assumida  o que apenas reforça a miltância.
Esse experimento social é promovido pela autora Glória Perez, que já criticou os evangélicos, a quem chamou de “imbecis” quando criticaram suas novelas.
Ao contrário do que aconteceu com a novela “Salve Jorge” (2012) e a minissérie “O Canto da Sereia” (2013), até o momento nenhum líder evangélico criou movimentos de protesto ou pedidos para que se faça algum tipo de boicote à Rede Globo.
Talvez por que os evangélicos estejam assistindo menos novelas ou por que a passividade comum aos brasileiros tenha se instalado de vez dentro das igrejas.
As manchetes de alguns dos principais sites de notícia após a exibição da cena comprovam que há um movimento orquestrado da grande mídia para tentar normatizar o comportamento dos trans, usando para isso a carga dramática da cena.
Em vários textos publicados por jornais e colunas especializadas em TV exalta-se Ivana revelando que deseja ser Ivan, tentando apelar para os sentimentos do público acima da razão.
Veja abaixo alguns deles:

Católicos e evangélicos estão mais “próximos” que imaginam, diz pesquisa

À medida que os evangélicos se preparam para marcar o 500º aniversário da Reforma Protestante, duas novas pesquisas realizadas pelo Instituto Pew mostram que, tanto na Europa quanto nos Estados Unidos, as diferenças teológicas que dividiram o cristianismo nos anos 1500 parecem ter perdido grande parte da sua importância.
Tanto para evangélicos europeus quanto para norte-americanos, eles e os católicos hoje possuem mais semelhanças que diferenças. Os ideais da Reforma liderada por Lutero e que deu origem ao movimento que mudaria a história do mundo, resultando em mais de um século de guerras devastadoras e perseguições na Europa, aparentemente ficaram no passado.
Em 2017, evangélicos e católicos na América do Norte e na Europa parecem ter chegado a um ponto onde não identificam mais claramente suas diferenças no aspecto teológico. Alguns dos principais pontos que guiavam os reformadores no século 16 são amplamente ignorados pelos cristãos atuais nesses locais.
Foram entrevistados pela Pew Research Center 24.599 pessoas em 15 países europeus. Nos Estados Unidos, a pesquisa foi realizada com 5.198 fiéis. Os resultados surpreendem.
Por exemplo, o ensinamento de que a salvação da alma é alcançada unicamente através da fé em Jesus (doutrina conhecida pelo termo latino sola fide) na maior parte dos países da Europa Ocidental não é mais amplamente defendida.
A maioria dos evangélicos europeus (47% na média geral) defende que a salvação depende tanto da fé quanto das obras, aproximando-se mais do entendimento católico. O percentual dos que “não sabem” é de 18%. O quadro é bem maior no Reino Unido (62%) e na Alemanha (61%). Enquanto isso, metade dos evangélicos dos Estados Unidos (52%) dizem o mesmo.
Os evangélicos norte-americanos também estão divididos sobre outra questão que desempenhou um papel fundamental na Reforma: 46% dizem que a Bíblia é a única orientação religiosa que os cristãos precisam, o ensino conhecido como sola scriptura. Mas 52% defendem que também devem buscar orientação nos ensinamentos e na tradição da igreja, ideia sempre ensinada pela Igreja Católica.
Somente 30% de todos os evangélicos dos EUA concordam tanto com a sola fide quanto com a sola scriptura. De modo geral, são altos os percentuais de evangélicos que dizem que suas crenças são “parecidas” com a dos católicos.
Um dos motivos para essa confusão doutrinária é a quantidade cada vez menor de evangélicos e católicos da Europa que frequentam igrejas: em média apenas 8% e 14%, respectivamente.
Questionados sobre se oram diariamente, disseram ‘sim’ 14% dos evangélicos e 12% dos católicos. Quando perguntados se a religião é importante em suas vidas, responderam positivamente (em média) apenas 12% dos evangélicos e 13% dos católicos.

Terroristas pretendiam lançar bomba “mãe de Satã” contra igreja na Espanha

atentado terrorista realizado em Barcelona semana passada, deixou 15 mortos e mais de 100 feridos, mas esse número poderia ter sido muito maior. Segundo apontam as investigações das autoridades espanholas, a célula islâmica pretendia explodir a igreja mais famosa da cidade. O grupo foi desmontado numa operação em que 5 terroristas foram mortos e outros 4, presos.
As fontes governamentais dão conta que o mentor da ação era o imã marroquino Abdelbaki Es-Satty. Ele comandava a célula ‘jihadista’ responsável pelos atentados na Catalunha. Um acidente ocorrido na casa em Alcanar, onde o grupo se reunia, a 200 km de Barcelona, vitimou o imã.
O major Josep Lluis Trapero explicou à imprensa que no local estavam sendo preparadas bombas que seriam lançadas contra a Catedral Sagrada Família, um dos cartões postais da cidade.
“Os restos do imã estavam lá”, declarou o major. O líder religioso e outra pessoas, ainda não identificadas, foram vitimados pela explosão da casa que servia de base de operações da célula. Eles preparavam há cerca de seis meses diversos atentados. No local, a polícia encontrou 120 botijões de gás.
Foram encontrados também vestígios do TATP, o triperóxido de triacetona. Esse explosivo é muito potente, mas extremamente instável. Ele pode ser feito de modo artesanal, sendo obtido na mistura, em proporções precisas, de acetona, água oxigenada e um ácido (sulfúrico, clorídrico ou nítrico), produtos facilmente encontrados no comércio.
Apelidado pelos extremistas de “mãe de Satã”, vem mostrando ser o explosivo preferido do Estado Islâmico, uma vez que foi usado em diversos atentados recentes em solo europeu.
Por causa da explosão acidental na quarta-feira (16), os terroristas a optaram pelo atropelamento em massa na Rambla, a mais movimentada avenida de Barcelona, na quinta-feira.
Essa foi a confissão de Mohamed Houli Chemlal, um dos suspeitos de planejar o duplo ataque terrorista, diante de um juiz espanhol. Ele revelou que sua célula preparava um atentado de maior impacto. O principal alvo era a catedral da Sagrada Família, basílica que é Patrimônio Mundial da Unesco e o principal trabalho do arquiteto Antoni Gaudi.
Além de Chemlal, que ficou ferido na explosão que vitimou o imã enquanto preparavam as bombas usando “a mãe de Satã”, estão presos Driss Oukabir e Salah El Karib. Eles serão levados a julgamento pelos ataques. Mohammed Aallaa, que chegou a ser detido, acabou liberado por falta de provas em seu envolvimento no atentado. Com informações Uol

sábado, 2 de setembro de 2017

Estado Islâmico ameaça papa Francisco: “Chegaremos a Roma”

O Estado Islâmico (EI) divulgou outro vídeo nesta quinta-feira (24). Nele, faz ameaças ao papa Francisco e afirma que “chegará a Roma”. Embora o Vaticano seja oficialmente um país, ele fica no centro da capital italiana. Sendo assim, a mensagem é clara: eles pretendem cumprir a promessa que fizeram em 2014.
A gravação do vídeo foi feita em Marawi, cidade das Filipinas que abriga extremistas muçulmanos, onde há um intenso combate armado com as forças de segurança do país. O material, divulgado pelo Al Hayat Media Center, um dos órgãos oficiais de propaganda do Estado Islâmico, apresenta terroristas rasgando um pôster de Francisco e destruindo imagens cristãs em uma igreja.
“Lembrem-se disso, infiéis, nós vamos estar em Roma, se Allah quiser”, brada um soldado que se identifica como Abu Jindal. Em seguida, o grupo põe fogo em um a igreja. “Depois de todos os esforços, a religião dos cruzados é que será destruída”, diz o narrador.

Parte da escatologia islâmica

Juntamente com esse vídeo, o EI pediu que seus simpatizantes realizem atentados na Itália. Além do país pertencer à coalizão internacional que luta contra eles na Síria, abrigar a sede mundial da Igreja Católica.
Um ataque ali enviaria uma forte mensagem por todo o globo. Além disso, a reconquista da Itália, que já integrou impérios islâmicos no passado é um dos objetivos anunciados do califado. Para os extremistas muçulmanos, Francisco seria o expoente máximo do cristianismo, já que eles não fazem distinção entre católicos, ortodoxos e evangélicos.
Na escatologia islâmica, existe a ideia que a conquista de Roma seria “o sinal completo da superioridade do Islã sobre o cristianismo, marcando a derrota do cristianismo”. Para isso, o papa deverá ser decapitado em praça pública, com a execução transmitida para o mundo todo.
Para eles, tudo culminará em uma batalha contra os exércitos infiéis próximos a Dabiq, na Síria, cidade que eles já conquistaram. “Essa é a sua versão do Armagedom”, ressalta Robert Spencer, um especialista no assunto. “Então Jesus se unirá ao profeta muçulmano, o Mahdi, e juntos irão conquistar e islamizar o mundo”, conclui.
Esta ideia já foi divulgada pelo EI em outros vídeos, quando apresentou imagens feitas por computador de tanques avançando sobre o Coliseu, enquanto o narrador afirmava que Roma representava a “batalha final antes do dia do juízo”.

Tropa de elite do Vaticano espera atentados

A Itália é a única grande nação da Europa Ocidental que ainda não sofreu atentados terroristas do EI. Mas as autoridades dizem estar preparada para isso. O comandante Christoph Graf, chefe da Guarda Suíça, soldados de elite que protegem o Vaticano, disse nesta quinta-feira (24) que o corpo militar “está pronto” para enfrentar um ataque terrorista e proteger o papa Francisco.
Durante um evento que reuniu cerca de 450 ex-guardas em Solothurn, na Suiça, Graf foi enfático: “Talvez seja apenas uma questão de tempo até que um atentado ocorra em Roma. Mas, estamos prontos também para isso”. Ele disse que a preocupação aumentou após o recente ataque ocorrido em Barcelona.
O comandando lembrou que os agentes que protegem o Papa são uma “tropa de proteção treinada nas técnicas mais modernas” e que adapta constantemente a sua formação. Por isso, os novos soldados estão recebendo treinamento antiterrorismo.

Postagem em destaque

Em 1/3 dos países do mundo é proibido evangelizar

As leis que proíbem a blasfêmia são “alarmantemente difundidas” em todo o mundo, com muitos países estabelecendo punições desproporcionais,...