domingo, 13 de agosto de 2017

Seita chinesa acredita que Jesus reencarnou em mulher

A Igreja do Deus Todo-Poderoso (IDTP) é uma religião que nasceu no início dos anos 90 na China, e crê que Jesus reencarnou em uma mulher chinesa “para salvar o mundo do apocalipse”.
Existe apenas uma pessoa que alega ter contato com a mulher que, de acordo com a igreja, seria Jesus reencarnado. Trata-se de Zhao Weishan, um homem nascido na província de Henan que fundou a religião há mais de 25 anos e vive atualmente nos Estados Unidos.
Além da inusitada reencarnação que a igreja defende, a instituição está envolvida em outras polêmicas.
O governo chinês não vê com bons olhos o culto religioso da IDTP e prendeu na quarta-feira (26) ao menos 18 pessoas. A polícia alega que a igreja não pode realizar encontros em todo território do gigante asiático.
As prisões ocorreram no condado de Changxing, na província oriental de Zhejiang, depois de uma investigação conduzida pelas forças de segurança, conforme a agência oficial de notícias Xinhua. A polícia apreendeu vários laptops e livros “usados pelo culto para disseminar informações”.
As ações do grupo religioso provocaram uma rejeição em massa entre a opinião pública quando, em 2014, um vídeo nas redes sociais mostrou cinco membros espancando uma mulher de 35 anos até a morte em um restaurante de fast-food, depois que ela se recusou a dar-lhes seu número de telefone.
Após o ocorrido, vários integrantes foram presos e dois condenados à morte, sendo executados pouco depois. No julgamento, os réus alegaram que a vítima “estava possuída por um espírito maligno”. “Era um demônio e tínhamos que acabar com ela”, disse uma das condenadas.
O governo de Pequim, mesmo antes do incidente em 2014, argumenta que a organização é ilegal porque “isola os membros de seus familiares e amigos e os pressiona para que doem dinheiro em troca da salvação”.

Igreja alega perseguição das autoridades

Representantes exilados da IDTP criticaram em várias ocasiões o Partido Comunista da China, acusando-o de perseguição por razões políticas. Em seu site, a igreja relata que as autoridades torturaram vários de seus integrantes.
Segundo a polícia chinesa, o financiamento da igreja depende principalmente de doações de seus membros. “Quanto maior o valor, mais direitos a pessoa consegue dentro do grupo e pode subir posições”, disseram as autoridades citadas pela agência Xinhua.
Centenas de pessoas foram presas em operações policiais em todo o país nos últimos anos por supostamente fazer parte do grupo.
A China garante, no papel, a liberdade religiosa de seus cidadãos, mas tem uma lista de cultos proibidos que não são controlados pelo Partido Comunista. Com informações de El País

“Califa” Erdogan conquistaria a Europa em apenas 3 dias, afirma jornal turco


manchete de um dos principais jornais turcos defensores do governo, o Yeni Söz, defende que Erdogan poderia conquistar a Europa em três dias se uma campanha militar fosse lançada.

Apoiando-se nas previsões de especialistas, segundo os quais a Turquia se tornaria uma superpotência militar, o jornal afirmou que a Turquia já era “o país mais poderoso do mundo”.
A avaliação de que os turcos poderiam retomar sua ofensiva militar nos moldes do antigo Império Otomano vem sendo apresentada há anos por George Friedman, fundador da Stratfor, uma das principais empresas de consultoria e inteligência global.
Ele fornece análises e previsões geopolíticas a organizações em todo o mundo e coloca o presidente da Turquia como um líder ambicioso, capaz de mobilizar não só os moradores do seu país, mas os milhões de imigrantes turcos espalhados pela Europa. Somente na Alemanha são cerca de 5 milhões deles.
Friedman disse que os turcos podem vencer os alemães numa tarde e os franceses, se eles tiverem coragem de aparecer, em uma hora. Mas Friedman está errado. De acordo com uma pesquisa realizada pelo Instituto Internacional de Pesquisa Gallup, a maioria dos europeus já estão com as bandeiras brancas prontas para acenar em caso de guerra.
Uma pesquisa recente perguntou a pessoas de 60 nações: Você lutaria por seu país?’. Os índices mostram que na Alemanha, apenas 18% dizem estar dispostos a defender sua pátria. Vinte e nove por cento dos franceses, 21 por cento do espanhóis e 20 por cento dos italianos disseram que lutariam, lembra o diário turco.
O editorial conclui sarcasticamente: “Então, de acordo com esses resultados, se partimos para uma conquista pela manhã, podemos fazer as orações da noite no Palácio de Bellevue! [Residência oficial do Presidente da Alemanha]”. “E entraríamos em Roma na manhã do segundo dia”, acrescentou o diário.
A ideia de uma invasão turca sobre a Europa não é tão absurda assim, se levar-se em conta as ameaças que Erdogan vem fazendo nos últimos meses, em especial contra seus vizinhos da Grécia, país que no passado já foi invadido pelos Otomanos.
Em março, o Ministro das Relações Exteriores da Turquia Mevlut Cavusoglu afirmou em entrevista que em breve “vão começar Guerras Santas na Europa”, embora não tenha dado detalhes sobre como isso irá ocorrer.

Líder islâmico mundial

Os discursos de Erdogan e suas decisões recentes deixam claro a sua intenção de restaurar o Império Otomano, onde um califa governava boa parte do Oriente Médio, incluindo Israel.
O uso da expressão “guerra santa” remete a ideia da jihad islâmica, que motiva há séculos as mortes em nome da sua religião.
No início do ano, Erdogan disse em discurso que a Europa começou uma “cruzada” contra o islã. Ele reclamou da decisão do Tribunal Europeu de permitir que empresas proíbam o uso do véu islâmico em horário laboral.
“Começaram uma cruzada, não há outra explicação. A Europa se acerca dos tempos de antes da Segunda Guerra Mundial”, disse o líder turco em um evento na cidade de Sakarya.
Mais uma vez a escolha de palavras remete a um período de muito sangue derramado em nome da religião islâmica. As cruzadas foram movimentos militares anti-islâmicos que duraram séculos e geraram milhares de mortos.
Islâmico praticante, Erdogan tenta se consolidar como o maior líder muçulmano do mundo. Seu discurso e de seus ministros mostra que a retórica religiosa da Idade Média parece ter voltado de vez.

“Deus deu autoridade a Trump para tirar Kim Jong-un do poder”, avisa pastor

“Deus deu ao presidente Donald Trump a autoridade para tirar Kim Jong-Un do poder”, afirmou o pastor Robert Jeffress, um dos principais conselheiros evangélicos do presidente.
A declaração do líder religioso, que pastoreia a Primeira Igreja Batista de Dallas, com mais de 10 mil membros, veio logo após o presidente americano afirmar que atingiria a Coréia do Norte “com fogo e fúria jamais vistos no mundo” caso os norte-coreanos continuem  ameaçando lançar bombas atômicas contra os Estados Unidos.
Jeffress é muito influente entre os cristãos conservadores e apoiou Trump ativamente desde o início da campanha presidencial no ano passado. Ele faz parte também de um grupo de líderes evangélicos que possuem acesso direto ao presidente. Segundo eles, Trump constantemente pede suas opiniões sobre política.
As tensões entre as duas potências nucleares aumentaram, e os opositores de Trump classificaram suas ameaças como “imprudentes”, acusando-o de querer começar uma guerra.
O problema se agravou quando, no mês passado, a Coréia do Norte testou com sucesso um míssil balístico intercontinental que poderia atingir a Califórnia. Esta semana, foi divulgado que o Pyongyang conseguiu produzir ogivas nucleares compactas, que podem ser transportadas pelos mísseis intercontinentais.
A declaração de Jeffress, divulgada pelo jornal Washington Post menciona versículos bíblicos e ressalta sua crença que “Deus entregou aos governantes todo o poder para usarem quaisquer meios necessários – incluindo a guerra – para impedir o mal”.
Para o líder batista, Trump merece elogios por não tolerar as ameaças da Coréia do Norte e ressaltou que a política externa complacente do ex-presidente Barack Obama é responsável por crises como a da Síria.
“Graças a Deus por um presidente que é sério quando se trata em proteger nosso país”, comemorou. Jeffress citou o texto bíblico de Romanos 13, dizendo que a espada é “serva de Deus, agente da justiça para punir quem pratica o mal” e que o Senhor “dá ao governo a autoridade para fazer o que for preciso, seja o assassinato, a pena de morte ou a punição do mal ao reprimir as ações de malfeitores como Kim Jong Un”.
Trump, que diz ser presbiteriano desde criança, tem apoio maciço dos evangélicos. Segundo as pesquisas, cerca de 81% dos evangélicos brancos votaram nele em novembro, índice maior que qualquer outro grupo religioso

“Em breve você vai implantar um chip”, avisa jornal americano

O implante de microchips do tamanho de um grão de arroz em animais domésticos já é uma prática comum em vários países. Capaz de emitir um sinal de GPS, o objetivo dos chamados biochips seria facilitar sua localização, caso se perdesse ou fosse roubado.
Nos últimos anos, começaram a ser feitos implantes semelhantes em humanos, mas com uma função diferente: guardar senhas e servir como cartão de crédito. Depois que uma empresa no estado de Wisconsin colocou biochips em seus funcionários, a mídia americana começou a debater qual seria o futuro dessa tecnologia.
Agora o jornal USA Today dedicou uma longa matéria para entender como será daqui pra frente e arrisca uma previsão: “Você receberá um chip. É só uma questão de tempo”.
“Isso acontecerá com todos”, explica Noelle Chesley, 49, professora de sociologia da Universidade de Wisconsin-Milwaukee. “Mas não este ano, e não em 2018. Talvez nem seja minha geração, mas certamente será na dos meus filhos”.
Ela explica que é preciso levar em conta a questão da idade. Os mais jovens estarão mais abertos a isso, enquanto os trabalhadores mais velhos se negarão a receber o chip.
Gene Munster, investidor e analista da Loup Ventures, é um defensor das novas tecnologias.
Ele entende que chips em seres humanos serão comuns em algumas décadas. “Em 10 anos, você verá algumas pessoas que gostam de tecnologia avançada adotando isso, mas não as grandes empresas”, aposta. Para ele, essa ideia ainda tem “muita conotação negativa”, mas no futuro já teremos nos “dessensibilizado pelo estigma social”.
Obviamente as pessoas mais religiosas já mostraram sua contrariedade, lembrando que existem profecias bíblicas sobre todo ser humano receber uma “marca” e quem não a tivesse não poderia comprar nem vender, o que remete à substituição dos cartões de crédito pelos chips, uma das tendências identificadas pelo jornal.
Por enquanto, o Three Square Market, ou o 32M, empresa líder do setor nos EUA não conseguiu mostrar nenhum benefício concreto para quem opta em usar o chip além da facilidade de login na internet e computadores da empresa. Munster acredita que eles tiveram muita competência em divulgar seu produto, uma vez que o assunto foi destaque na maioria da mídia de língua inglesa.
A 32M trabalha em sistemas de venda que fariam transações sem dinheiro ou cartão, apenas com o chip. Atualmente, o mercado experimenta um crescimento no sistema de pagamento pelo celular, nas chamadas “carteiras eletrônicas”.
Os projetos futuros incluem fazer com que os chips substituam documentos como passaporte e carteira de motorista, além de abrir portas e dar a partida em automóveis. Tudo isso, se a tecnologia se consolidar e a chamada “internet das coisas” realmente se tornar o padrão.

Não é um rastreador de GPS

O chip desenvolvido pela 32M não é um rastreador de GPS, o que muitos críticos temiam. No entanto, os analistas acreditam que no futuro certamente todos os nossos movimentos serão rastreáveis, como já é possível fazer com quem possui um smartphone.
Outra empresa que fabrica biochips nos EUA, a Dangerous Things, afirma que já vendeu “dezenas de milhares” deles aos consumidores através do seu site. Amal Graafstra, fundador da marca, acredita que esse é uma tendência e que “Vamos começar a ver implantes de microchips tendo a mesma aceitação que piercings e tatuagens possuem”.
Mas os norte-americanos não são os únicos que investem nessa ferramenta. Na Suécia, a empresa BioHax diz que cerca de 3.000 clientes que já implantaram seu chip podem fazer muitas coisas, incluindo andar no transporte do sistema ferroviário nacional sem precisar carregar um bilhete, pois o valor é descontado assim que o passageiro entra.
Já na República Tcheca o chip já é testado como método de pagamento, substituindo o cartão de crédito. Ele possibilita fazer pagamentos sem a necessidade de senhas, se modo similar às pulseiras que estão chegando no Brasil.
Na Austrália, desde 2010, o governo do país vem usando biochips para modernizar seu sistema de saúde. Os implantes fazem várias leituras do corpo e armazenam dados médicos

terça-feira, 27 de junho de 2017

Demônios mais perigosos, segundo a Igreja Satânica

Em um artigo divulgado pela History, informa que Anton Szandor, conhecido como o Papa Negro, autoproclamado sacerdote da Igreja de Satanás e autor da Bíblia Satânica, teria divulgado os nomes dos demônios mais perigosos do satanismo.
Segundo a publicação “os teólogos têm catalogado alguns dos nomes de diabos em suas listas de demônios, mas a seguinte lista contém os nomes mais efetivamente utilizados nos rituais satânicos“. Abaixo apresentamos a lista dos demônios mais perigosos:

Asmodeus: também conhecido como Asmodeo, um demônio do cânone católico, também chamado no Talmud e demais tratados demonologia. Está diretamente relacionado com excessos carnais, sensualidade e luxúria, especialmente a relacionada com estados orgiásticos.

Astarote: notoriamente conhecido como o “Grão-Duque do Inferno”, sua casta compartilha status com a primeira hierarquia demoníaca que envolve os poderosos Belzebu e Lúcifer. É um demônio sedutor, que convence principalmente por meio da preguiça, vaidade e filosofias racionalistas.
Azazel: é líder daqueles anjos caídos que fornicaram com mulheres mortais e deram a luz uma raça de gigantes, conhecida como Nephilim. Ele ensinou os homens como fabricar armas de guerra e as mulheres o ocultismos e o uso de cosméticos.
Balaão é um personagem bíblico e profeta da religião da Mesopotâmia. Na concepção hebraica, é um demônio diretamente relacionada com a avareza e ganância, do poder e da maldade exemplar.
Behemoth: também conhecido Bégimo, esse demônio de origem hebraica e características metamórficas, é extremamente poderoso e capaz de assumir a forma de um animal, como um elefante monstruoso, embora muitos o relacionam a um hipopótamo.
Beelzebub: mais conhecido como Belzebu, seu nome deriva etimologicamente do “Baal Zvuv”, que significa “O Senhor das Moscas”. É nada menos que o príncipe dos demônios, segundo a tradição cristã, tem muitos nomes, dependendo das diferentes manifestações do mal.
Bilis: é um antigo demônio, constantemente à procura de almas daqueles homens que praticam uma sexualidade livre. Ele também está representando o elemento Terra e se completa com a tríade Satanás, Lúcifer e Leviatã.
Cimeries: também conhecido pelo nome de Cimejes, esse demônio é um Marquês do Inferno, descrito como um grande guerreiro, montando um cavalo preto e escoltada por 20 legiões demoníacas. Ele também é o governante de todos os espíritos africanos.
Damballa: esta divindade demoníaca e primitivo, deriva das origens do voodoo Africano. Se move lentamente e furtivamente, mas é capaz de fazer movimentos bruscos e extremamente velozes. Especula-se que a palavra “zumbi” vem da palavra “Nzambi”, referindo-se a este demônio.
Mormo: é um demônio derivado de um espirito da antiga cultura grega, que castigava as crianças desobedientes. Além disso, era consorte de Hécate, a deusa grega do submundo da bruxaria.
Mas existe um Deus, que é superior a todos os demônios juntos, esse Deus é o Deus dos Deus, é o Deus que cremos, seguimos e adoramos! Louvado seja o nosso Deus, que enviou o seu único filho para resgatar aqueles que se havia perdido!
EU SOU DE JESUS!

Postagem em destaque

Seita chinesa acredita que Jesus reencarnou em mulher

A Igreja do Deus Todo-Poderoso (IDTP) é uma religião que nasceu no início dos anos 90 na China, e crê que Jesus reencarnou em uma mulher ch...