sexta-feira, 26 de março de 2010

OS PREPARATIVOS CONTINUAM A TODO VAPOR

Atualizado em 26/03/10 - 18h16

Tanques de Israel entram em Gaza

Mais cedo, confronto na fronteira deixou dois mortos de cada lado.
Alvos próximo a Khan Younis, centro do território, foram bombardeados.
Tanques israelenses avançaram sobre a Faixa de Gaza nesta sexta-feira (26) após o pior confronto com combatentes palestinos em 14 meses ter deixado dois mortos de cada lado. Fontes palestinas em Gaza disseram que cinco tanques e duas escavadeiras blindadas avançaram e bombardearam pontos perto da cidade de Khan Younis, no centro da Faixa de Gaza. O grupo militante Comitês de Resistência Popular confirmou que um de seus combatentes ficou gravemente ferido pelos bombardeios. Fontes palestinas afirmaram terem visto helicópteros israelenses e aviões teleguiados sobrevoando a área.

Soldados israelenses montam guarda na fronteira com a Faixa de Gaza nesta sexta-feira (26). (Foto: AFP)


O Exército israelense disse que um oficial e um recruta foram mortos em uma emboscada feita por atiradores palestinos contra uma patrulha militar de Israel. Dois soldados ficaram feridos e dois combatentes palestinos também morreram no confronto.
Autoridades palestinas não confirmaram as duas mortes mas afirmaram que ao menos cinco palestinos, entre eles um menino de 10 anos, ficaram feridos segundo representantes de hospitais de Gaza.
"Acho que é verdadeiro dizer que este é um dos dias mais violentos que tivemos desde a operação 'Cast Lead'", disse a porta-voz do Exército israelense, Avital Leibovich, referindo-se à operação israelense em Gaza, em janeiro de 2009.
Foi um incidente "trágico e doloroso" em um local onde há "uma guerra todos os dias", com atiradores palestinos posicionando explosivos perto da fronteira e ataques frequentes contra alvos israelenses ao sul. Segundo a porta-voz, forças israelenses "têm que operar de ambos os lados da fronteira para ter um sistema defensivo máximo". O confronto aparentemente não tem uma relação direta com o atual impasse diplomático entre Israel, palestinos e Estados Unidos sobre assentamentos israelenses na Cisjordânia ocupada, que paralisou esforços para a retomada das negociações de paz. Israel se retirou unilateralmente de Gaza em 2005.
O grupo militante islâmico Hamas, que controla o território desde 2007, disse que seus homens atiraram contra soldados israelenses que cruzaram a fronteira. Centenas de partidários do Hamas foram às ruas no campo de refugiados de Jabalya, no norte da Faixa de Gaza, para comemorar a morte de dois soldados israelenses, liderados por Mushir Al-Masri, importante legislador do Hamas, que elogiou o confronto. "Entrar em Gaza não é um piquenique", afirmou. "Os sionistas não podem vir a qualquer hora que desejarem e deixar qualquer hora e como quiserem", disse Masri à multidão. "As Brigadas Qassam (braço armado do Hamas) estão prontas e lhes ensinarão uma lição e eles não repetirão tal ato tolo." O Hamas reduziu seu poder de fogo desde a ofensiva de três semanas com Israel, que deixou 1.400 palestinos mortos, a maioria civis, e matou 13 israelenses, a maioria soldados, em janeiro de 2009.

02/04/2010 - 18h13

Israel ameaça lançar nova ofensiva contra Gaza

da Folha Online
com Efe e France Presse
O governo israelense ameaçou nesta sexta-feira lançar uma nova ofensiva contra grupo radical islâmico Hamas, que controla a Faixa de Gaza (território palestino) desde 2007, caso continuem os disparos de foguetes a partir desta região. Ontem à noite, aviões israelenses fizeram uma série de ataques às cidades de Gaza, Rafah e Khan Younis.
"Se não cessarem os foguetes contra Israel, parece-me que vamos ter de elevar o nível de nossa atividade e intensificar nossas ações contra o Hamas", declarou o vice-primeiro-ministro Sylvan Shalom à rádio pública israelense.
O primeiro-ministro do Hamas, Ismail Haniyeh, fez um apelo à comunidade internacional que impeça o início de um novo ciclo de violência. "Exortamos à comunidade internacional para que intervenha e coloque um fim a esta escalada e a agressão israelense", declarou, em um comunicado oficial.




Em Londres, o Ministério das Relações Exteriores manifestou preocupação pelos ataques. Os EUA insistiram que israelenses e palestinos privilegiem o diálogo. "Os israelenses têm o direito de se defender, mas ao mesmo tempo, como dissemos muitas vezes, não acreditamos que há uma solução militar para este conflito", afirmou o porta-voz do Departamento de Estado americano, Philip Crowley.
Ataques
Pelo menos três crianças ficaram feridas, segundo fontes palestinas, no que foi considerado a pior ofensiva israelense desde janeiro de 2009, quando 1.400 palestinos morreram, de acordo com grupos de defesa dos direitos humanos e fontes locais.
O Exército israelense alegou que os bombardeios recentes foram uma resposta ao lançamento de um foguete palestino contra a cidade israelense de Ashkelon, nesta quinta-feira. Segundo Israel, foram atingidos duas fábricas e dois depósitos de armamentos.
Segundo o Hamas, os ataques aéreos também atingiram dez locais, incluindo uma fábrica de queijos e um complexo cinematográfico construído pelos líderes do Hamas. Três crianças palestinas ficaram feridas e estão hospitalizadas, segundo o representante de saúde em Gaza, o médico Moaiya Hassanain.
Foguetes e provocações
No ano passado, Israel conduziu uma guerra em Gaza, após anos de ataques de foguetes. Desde então, o Hamas tem tentado evitar provocações que pudessem levar a uma ação militar israelense.
A liderança do grupo militar islâmico, aparentemente, não quer ser vista como responsável pelo aumento do sofrimento na faixa de Gaza, onde 80% da população depende de suprimentos da ONU (Organização das Nações Unidas) para sobreviver.
Os moradores de Gaza não conseguiram reconstruir o local após as ofensivas israelenses. Israel e Egito impuseram um bloqueio, que impede a entrada de produtos como cimento e aço na faixa de Gaza.
O Exército israelense afirmou em comunicado que cerca de 20 foguetes e morteiros foram atirados contra Israel da faixa de Gaza no mês de março, incluindo um que matou um trabalhador rural tailandês. No total, mais de 40 foguetes e morteiros foram lançados contra Israel desde o começo do ano, segundo a contagem dos militares.
O Hamas não assumiu a autoria de nenhum foguete por mais de um ano. A maioria dos ataques recentes foram assumidos por grupos considerados mais radicais que o Hamas, que acusam o grupo de ter amolecido no confronto armado com Israel.
O Hamas se envolveu numa troca de tiros com forças israelenses na semana passada, no primeiro incidentes do tipo desde a guerra na faixa de Gaza, em janeiro de 2009. Dois soldados e um civil palestino morreram.
03/04/2010 - 13h40

Ahmadinejad diz que Israel e aliados pagarão caro se atacarem Gaza

Colaboração para a Folha Online
O presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad, alertou neste sábado Israel e os países aliados que pagarão caro por qualquer novo ataque contra a faixa de Gaza.
Segundo a agência semioficial iraniana Fars, Ahmadinejad fez esta declaração durante a inauguração de uma fábrica para a produção de matéria-prima na fabricação de aço, na Província iraniana de Kerman.
'Não voltem a cometer o erro de atacar Gaza, já que vão pagar caro', ameaçou o presidente iraniano, que não reconhece o Estado de Israel e o qualifica como "o regime sionista de ocupação".
O governo israelense ameaçou nesta sexta-feira lançar uma nova ofensiva contra o grupo radical islâmico Hamas, que controla a faixa de Gaza (território palestino) desde 2007, caso continuem os disparos de foguetes a partir desta região. No dia anterior, aviões israelenses fizeram uma série de ataques às cidades de Gaza, Rafah e Khan Younis.
O primeiro-ministro do Hamas, Ismail Haniyeh, fez um apelo à comunidade internacional para que impeça o início de um novo ciclo de violência. "Exortamos à comunidade internacional para que intervenha e coloque um fim a esta escalada e a agressão israelense", declarou, em um comunicado oficial.
Programa nuclear iraniano
Ahmadinejad aproveitou para criticar o tratamento dado pelo Ocidente às atividades nucleares do Irã.
'Eles mentem e dizem que o Irã tenta produzir bombas atômicas, enquanto eles próprios têm bombas atômicas', afirmou.
O regime iraniano é criticado por grande parte da comunidade internacional por conta de seu controvertido programa atômico.
Países como Estados Unidos, Reino Unido, França, Alemanha e Israel acusam o regime iraniano de esconder sob o programa nuclear civil outro de natureza clandestina e com ambições bélicas, cuja meta seria adquirir armas atômicas, uma alegação que Teerã rejeita.
Desde fevereiro, Washington, apoiada por Londres, Paris e Berlim tentam pactuar novas sanções internacionais contra o Irã.

domingo, 21 de março de 2010

CONEXÃO ISLÂMICA

A conexão Islêmico-Nazista
Em outubro de 1938, numa reação ao Pacto de Munique que Neville Chamberlain fizera com Adolf Hitler, Winston Churchill fez a seguinte advertência no Parlamento inglês:
Setembro de 1938: o primeiro-ministro da Inglaterra, Neville Chamberlain sendo recebido em Munique pelo ditador alemão, Adolf Hitler, para a assinatura do Pacto de Munique, o qual concordava com a exigência de Hitler de que a região dos montes Sudetos na República Tcheca fosse entregue à Alemanha.
Vocês precisam considerar o caráter do movimento nazista e o domínio que ele implica. Nunca poderá haver amizade entre a democracia britânica e o poder nazista, poder esse que despreza a ética cristã, que saúda com aplausos seu avanço conquistado por meio de um paganismo cruel, que se gaba do espírito de agressão e conquista, que da perseguição extrai força e prazer pervertido, bem como usa o ameaçador impulso assassino com impiedosa brutalidade. Tal poder nunca poderá ser um amigo confiável da democracia britânica.
Um ano depois, com a deflagração da Segunda Guerra Mundial, naturalmente ficou comprovada a advertência de Churchill de que o Pacto de Munique era “o começo da consideração do problema” com um inimigo implacável.
Em 2005, naquelas semanas que sucederam os ataques terroristas ocorridos em Londres, ouvimos, por várias vezes, a analogia entre aqueles atentados à bomba e o bombardeio nazista contra a Inglaterra durante a Segunda Guerra. A maioria dessas analogias mencionava a famosa resistência inglesa diante do terror e da carnificina. Algumas dessas comparações tinham relação com a decisão anunciada pela rainha Elizabeth e pelo primeiro-ministro Tony Blair de nunca se render às forças que estavam por trás daquelas bombas. De fato, na maioria dos casos, as analogias feitas entre as duas circunstâncias diziam respeito à reação dos ingleses aos ataques e não à natureza similar dos culpados daqueles atos.
Entretanto, a verdade é que assim como a resistência paciente dos ingleses relembra a mesma de 65 anos atrás, também há uma semelhança profunda e pedagógica entre os nazistas que atacaram outrora e os combatentes islâmico-fascistas que atacam hoje em dia. Mais importante ainda do que invocar a célebre “resistência paciente” dos ingleses, o cerne da questão é que, para lutar e vencer esta guerra atual, é necessário que se entenda e aceite as similaridades existentes entre os nazistas e os exércitos terroristas árabe-islâmicos.

A conexão islâmico-nazista de Munique

Em julho de 2005, o The Wall Street Journal publicou uma reportagem investigativa sobre o estabelecimento e o crescimento do Centro Islâmico em Munique. Conforme Stefan Meining, um historiador alemão, relatou ao jornal, “se você quer entender a estrutura do Islã político, precisa considerar aquilo que aconteceu em Munique”.
Winston Churchill.
De acordo com a reportagem, a mesquita de Munique foi fundada por muçulmanos nazistas que se estabeleceram na Alemanha Ocidental depois da guerra. Esses homens, que estavam entre os mais de 1 milhão de cidadãos das repúblicas soviéticas, unidos aos nazistas enquanto sob a ocupação alemã, foram transferidos para o Ocidente nos momentos finais da guerra, por ordem de seu comandante nazista, para protegê-los do avanço do Exército Vermelho.
A reportagem do jornal esclarece que o primeiro líder da mesquita era oriundo do Uzbequistão e se chamava Nurredin Nakibhidscha Namangani. Ele serviu na SS nazista como imame (i.e., líder espiritual muçulmano) e participou do extermínio do Gueto de Varsóvia, bem como da repressão à revolta judaica em 1943.
Segundo aquele artigo, Said Ramadan, o líder da Irmandade Muçulmana Egípcia, que estava exilado, participou da Conferência de 1958, organizada por Namangani e seus correligionários muçulmanos nazistas com o objetivo de angariar recursos financeiros para a construção da mesquita. Depois o artigo resume o momento subseqüente em que a Irmandade Muçulmana assume o controle daquela mesquita na década de 60 e de sua transformação, com o patrocínio financeiro saudita e sírio, numa conexão para a propagação da ideologia islâmico-fascista em sua convocação para a jihad (guerra santa) e para o domínio do mundo.

Os nazistas apoiaram os terroristas árabes

Mulheres muçulmanas numa manifestação em Islamabad (Paquistão). O cartaz diz: “Deus abençoe Hitler”.
A reportagem ignorou o fato de que não havia nenhuma razão específica, exceto talvez uma hostilidade enciumada por causa da intrusão, para que os nazistas tivessem qualquer problema com a Irmandade Muçulmana. Tal como o cientista político alemão Matthias Kuntzel registrou em seu livro intitulado Islamic anti-Semitism and its Nazi Roots (“O anti-semitismo islâmico e suas raízes nazistas”), a Irmandade Muçulmana que gerou a Fatah da Organização de Libertação da Palestina (OLP), bem como a Al Qaeda, o Hamas e a Jihad Islâmica egípcia, deve muito de seu sucesso ideológico e de suas raízes pseudofilosóficas ao nazismo.
Nos idos de 1930, o mufti [líder e intérprete oficial da lei islâmica – N.T.] de Jerusalém, Amin el-Husseini, cortejou exatamente os nazistas. Em 1936, quando iniciou sua guerra de terror contra os yishuv (“assentamentos”) judaicos na Palestina governada por mandato britânico, Amin el-Husseini, por várias vezes, solicitou apoio financeiro aos nazistas, patrocínio esse que começou a chegar em 1937.
De 1936 a 1939, as tropas terroristas de Husseini assassinaram 415 judeus. Anos mais tarde, Husseini comentou que se não fosse o dinheiro nazista, sua investida violenta contra os assentamentos judeus teria sido derrotada em 1937. O movimento que ele liderava estava impregnado de nazismo. Seus homens cumprimentavam-se com saudações nazistas e os membros de seu movimento jovem ostentavam os uniformes da juventude nazista.
Husseini tinha relações de parentesco com o novo movimento da Irmandade Muçulmana, fundado pelo sogro de Ramadan, Hassan al-Banna, na década de 20. O impacto que sua guerra terrorista causou no movimento foi profundo. De uma lista com 800 membros em 1936, as fileiras da Irmandade cresceram em número para 200 mil membros oficiais nos idos de 1938, apoiados, talvez, por um número igual de simpatizantes ativos.
Recrutas do Hizb’allah (Partido de Alá) prestam juramento. Observe o gesto semelhanteà saudação nazista.
Conforme Kuntzel demonstrou, a noção de uma violenta guerra santa ou jihad contra não-muçulmanos não fazia parte de nenhuma doutrina islâmica em vigor até a década de 30 e, segundo ele observou: “Sua cooperação para o advento de um novo anti-semitismo virulento está comprovada em termos bastante claros”. As gangues de Husseini que atuavam no Mandato Palestino foram efusivamente aplaudidas pela Irmandade Muçulmana no Egito, que mobilizou manifestações em massa portando slogans tais como: “Judeus, saiam do Egito e da Palestina” e “Morte aos judeus!”.
Para os nazistas, os judeus eram considerados a principal força que os impedia de atingir seu objetivo de dominar o mundo. Como Hitler expressou: “Vocês verão que precisaremos de pouco tempo para reorientar os conceitos e critérios do mundo inteiro pura e simplesmente pelo ataque ao judaísmo”. Em sua concepção, Hitler achava que, após destruir os judeus, o resto do mundo estaria a seus pés por causa dessa conquista. Ele declarou: “A luta pelo controle do mundo será travada exclusivamente entre alemães e judeus. O resto é fachada e ilusão”.
Husseini se tornou um efetivo agente nazista. Fomentou um golpe pró-nazista em Bagdá no ano de 1942 e fugiu em seguida para a Alemanha, onde passou o resto da guerra treinando uma tropa de jihadis composta de muçulmanos bósnios, exortando o mundo árabe a se levantar contra os Aliados, participando do Holocausto e planejando a construção de um campo de extermínio em Nablus, semelhante ao de Auschwitz, depois da [esperada] vitória alemã. Após a guerra, com ajuda francesa, ele conseguiu escapar para o Cairo, no Egito. Lá, Husseini foi recebido como herói de guerra.
Husseini se tornou um efetivo agente nazista. Fomentou um golpe pró-nazista em Bagdá no ano de 1942 e fugiu em seguida para a Alemanha, onde passou o resto da guerra treinando uma tropa de jihadis composta de muçulmanos bósnios, exortando o mundo árabe a se levantar contra os Aliados, participando do Holocausto e planejando a construção de um campo de extermínio em Nablus, semelhante ao de Auschwitz, depois da [esperada] vitória alemã. Na foto: o grão-mufti passa em revista tropas muçulmanas das SS.
A idéia obcecada de Hitler de que os judeus eram a fonte de todos os males do mundo, ficou tão enraizada nas mentes nacionalistas árabe e islâmica, que passou a ser uma segunda índole.
Em 2002 na Alemanha, durante o julgamento de Mounir al-Moutassadeq, acusado de colaborar com os seqüestradores dos aviões nos atentados de 11 de setembro, testemunhas fizeram uma descrição da visão de mundo de Muhammad Atta, o líder dos terroristas naquele atentado. Uma das testemunhas declarou:
A [visão de mundo] de Atta baseava-se num modo de pensar nacional-socialista. Ele se convencera de que “os judeus” estão determinados a conquistar o domínio do mundo. Ele considerava a cidade de Nova York como o centro da comunidade judaica do mundo todo, esta que, em sua concepção, era o Inimigo Número Um.

A mesma guerra continua

À luz da fartura de documentação histórica acerca das raízes nazistas do fascismo islâmico, é absolutamente evidente que a cooperação dos nazistas com a Irmandade Muçulmana na construção e desenvolvimento do Centro Islâmico de Munique foi tudo, menos coincidência ou fato isolado.
Também não é surpresa nenhuma que o chefe da Autoridade Palestina (AP), Mahmoud Abbas, cujo antecessor, Yasser Arafat, era um seguidor de Husseini, tenha feito sua dissertação de doutorado para negar o Holocausto e justificar o nazismo.
A realidade disso é que, à semelhança dos nazistas, é impossível separar a busca ideológico-militar islâmica pelo domínio mundial de seu anti-semitismo genocida. Como no caso dos nazistas, são dois lados da mesma moeda. E, tal como aconteceu desde o momento da ascensão dos nazistas ao poder em 1933 até o fim da Segunda Guerra Mundial, os ingleses e, em grau menor, todavia crescente, os americanos, se recusaram a admitir que a guerra contra os judeus e Israel era a mesma guerra travada contra eles.
Existem motivos para as tentativas de separar o inseparável. A descoberta de que os responsáveis pelos atentados à bomba em Londres pertenciam à mais distinta classe de imigrantes da Inglaterra é prova de que, hoje em dia, o inimigo é produzido em casa. Um exemplo disso é o daquele grupo organizado anglo-paquistanês, ligado à Al-Qaeda e ao Hamas, que praticou o atentado suicida no Mike’s Place, na cidade de Tel-Aviv, em abril de 2003 e de Omar Sheikh, o inglês de origem paquistanesa ligado à Al-Qaeda que seqüestrou e assassinou o repórter Daniel Pearl do Wall Street Journal numa execução ao estilo nazista em janeiro de 2002.
Não é surpresa nenhuma que o chefe da Autoridade Palestina (AP), Mahmoud Abbas, cujo antecessor, Yasser Arafat, era um seguidor de Husseini, tenha feito sua dissertação de doutorado para negar o Holocausto e justificar o nazismo.
Um dos desafios mais difíceis para uma sociedade democrática é enfrentar corajosamente a “quinta coluna”* que vive em seu meio. À parte disso, a grande verdade é que a economia global é movida a petróleo, o qual é controlado pelos mesmos poderes que se encontram na base da atual guerra contra Israel e a civilização ocidental.
É mais fácil engajar-se no partido dos que negam tais realidades do que lutar contra elas. Assim como os ingleses e franceses outrora responsabilizaram o empobrecimento e a humilhação [alemãs] resultantes do Tratado de Versalhes como a causa do anti-semitismo e espírito belicoso alemão na década de 30, atualmente os ingleses, à semelhança de seus aliados europeus e de grande parte da sociedade americana, consideram que as causas do anti-semitismo e das aspirações árabes e islâmicas de dominar o mundo são a pobreza, resultante da aparente humilhação de estarem nas mãos dos imperialistas ocidentais, bem como o estabelecimento do Estado de Israel e [as ações para garantir] sua contínua viabilidade.
O Estado de Israel tem o dever (negligenciado em grande parte pelas próprias autoridades israelenses no atual momento) de chamar a atenção do resto do mundo para essa realidade inconveniente. A responsabilidade e o dever de todos os que prezam a liberdade e o direito de viver sem medo é admitir tal realidade, apesar de sua inconveniência. Recusar-se a admiti-la não é uma mera questão de covardia. É a receita do suicídio.

OPOSIÇÃO AOS ASSENTAMENTOS

O que está por trás da oposição aos “assentamentos”

A oposição aos que são tendenciosamente chamados de “assentamentos” não tem nada a ver com os “assentamentos” propriamente ditos. Tem a ver com a questão de Israel ter ou não o direito de decidir por si mesmo sobre as condições mínimas de sua própria sobrevivência, ou se outros decidirão em seu lugar – aparentemente incluindo um governo [americano] profundamente ignorante da história da região e das reivindicações e direitos dos judeus para edificar esses “assentamentos” (simplesmente vilarejos e pequenas cidades judaicas) em áreas já destinadas a assentamentos judaicos pela Liga das Nações em seu Mandato da Palestina. Este foi um dentre muitos mandatos criados após a Primeira Guerra Mundial, vários dos quais levaram à criação do Líbano, da Síria, e do Iraque – isto é, três dos agora 22 membros da Liga Árabe. Outros mandatos foram destinados a dar provisão para alguns dos muitos outros povos não-árabes ou não-muçulmanos – mas o Estado Curdo e o Estado Armênio, como originalmente previstos, acabaram natimortos. Os judeus, por sua vez, não receberam toda a Palestina Histórica, mas apenas a Palestina Ocidental, enquanto que novamente os árabes ficaram com a parte do leão para eles mesmos.
Não são os “assentamentos” que estão em jogo, mas se Israel irá ou não controlar a estreita fatia de território, a “Margem Ocidental”, sem a qual o vale do Jordão e as rotas de invasão históricas a partir do leste não podem ser controlados. Pois, se os assentamentos judaicos forem impedidos de existir, se a decisão for tirada das mãos de Israel, e se suas reivindicações forem deslegitimadas, isso será apenas parte de uma tentativa deliberada, interminável e profundamente astuciosa dos árabes muçulmanos de empurrarem Israel para trás, para fazê-lo desaparecer do mapa, enfraquecendo-o passo a passo e desmoralizando sua população. Isso já foi escrito tantas vezes e dito tantas vezes na mídia árabe que é indesculpável que aqueles que determinam as políticas continuem fingindo não percebê-lo.
Esse processso seria conduzido em estágios. Mahmoud Abbas (o presidente da Autoridade Palestina) é, no momento, o proponente principal dessa Solução em Duas Etapas. É o que ele quer dizer quando fala: “Nós escolhemos a paz como uma opção estratégica”. Não simplesmente “a paz”, mas “a paz como uma opção estratégica”. Primeiro, a oposição às reivindicações dos judeus de qualquer expansão natural nos que são tão erroneamente denominados “assentamentos” condenaria os judeus, mas não os árabes, a impedirem sua população de crescer na “Margem Ocidental”. Tal fato levaria inevitavelmente ao encolhimento do número de judeus. Daria início ao processo de forçar Israel a ceder, a abrir mão daqueles vilarejos e pequenas cidades, a desistir de sua reivindicação de direito, que já foi reduzida em 77% quando a Grã-Bretanha criou, nos idos de 1922, o Emirado da Transjordânia a partir da Palestina Oriental. Inicialmente a Palestina Oriental era para ser incluída no Mandato da Palestina.
Se Israel não pode permitir sequer o crescimento natural em seus “assentamentos” – o que aparentemente significa que nenhum bebê deve nascer além do nível da mera substituição dos habitantes que falecerem, enquanto os árabes da “Margem Ocidental” e nas fronteiras pré-1967 de Israel, assim como os muçulmanos que vivem em qualquer lugar, têm permissão para ter oito, dez ou doze filhos por família, sabemos qual será o resultado. E se os assentamentos de Israel forem paralisados, e retratados mesmo nos Estados Unidos – quanto mais nas Nações Unidas – como ilegítimos, a pressão sobre Israel, que já é imensa, provavelmente forçaria os israelenses, a despeito de sua própria necessidade de sobrevivência, a desistirem da “Margem Ocidental”, que lhes oferece a única profundidade estratégica que eles possuem. Israel, sem a “Margem Ocidental”, tem nove milhas de largura [pouco mais que catorze quilômetros], desde Kalkilya até o mar. Com facilidade poderá ser cortado em duas partes pelos árabes, que são muito bem armados e assustadoramente mais numerosos. A menos que Israel esteja preparado para usar armas nucleares nesse momento, o país pode ser atropelado. Israel não deve apenas continuar a controlar o vale do Jordão e as rotas de invasão históricas a partir do leste, mas deve também controlar os aqüíferos debaixo da “Margem Ocidental”, pois estes lhe são absolutamente vitais.
Sempre se supôs que a “Margem Ocidental” fizesse parte da Palestina Mandatória. Ela deve ser considerada legalmente como uma “parte não demarcada do Mandato”, como observou Eugene Rostow, o já falecido reitor da Faculdade de Direito de Yale, e como mostrou tão convincentemente o jurista australiano Julius Stone em seu estudo legal exaustivo, extenso como um livro. Seu status legal não foi afetado pelo confisco e domínio jordanianos de 1949 a 1967. Portanto, quando os americanos sugerem, ou de forma mais ultrajante, “exigem”, que Israel pare sua “edificação de assentamentos”, eles estão dizendo que o Mandato da Palestina é nulo e sem efeito.
Essas pessoas, que têm a pretensão de dizer aos judeus de Israel, que estão permanentemente enfrentando perigos, o que eles deveriam fazer, estão afirmando que esses judeus não têm direito à estreita faixa de terra que constitui a Palestina Ocidental. Elas estão dizendo que temos que aceitar a jihad camuflada, aquela que, desde a Guerra dos Seis Dias, tem apresentado a jihad contra Israel como uma campanha pelos “direitos legítimos” do “povo palestino”, inventado às pressas (nunca mencionado pelos árabes antes da Guerra dos Seis Dias, nem por qualquer diplomata árabe, ou figura política, ou “intelectual” – a expressão “árabes palestinos” ou apenas “árabes” ou “árabes da Palestina” – nunca o “povo palestino” – era o que se ouvia). Esse foi um truque óbvio, seguido com muita determinação. E grande parte do mundo aceitou esse contra-senso.
Mas, agora, os infiéis do mundo estão começando a perceber que o próprio islamismo é um problema para eles. Para o grande pesar deles mesmos, os povos da Europa Ocidental, por vários motivos, mas sempre com uma indiferença ou negligência civilizacional que hoje é lamentada por todos eles, permitiram, pelos últimos quarenta anos, a vinda de inúmeros muçulmanos para habitarem entre eles. Também permitiram a vinda de muitos outros imigrantes. Mas nenhum daqueles imigrantes, exceto os muçulmanos, trouxe consigo, em sua bagagem mental, não meramente um credo estranho, mas um credo estranho e permanentemente hostil.
Pois o islamismo se baseia na idéia de um estado de guerra permanente entre muçulmanos e incrédulos. Os muçulmanos têm o dever, às vezes coletivo e às vezes individual, de participar da luta, ou da jihad, para remover todos os obstáculos que possam impedir o alastramento e depois a dominação do islamismo. É isto que os infiéis mais inteligentes e que enxergam mais longe estão começando a reconhecer. E, à medida que mais e mais deles reconhecem tal fato, serão também percebidas as monstruosas deturpações, baseadas em relatos enganosos, por ódio ou ignorância, a respeito da guerra dos muçulmanos árabes contra Israel, e as tentativas de Israel sobreviver a despeito da interminável guerra realizada por todos os meios possíveis. Então, a anterior simpatia por Israel, de que o país gozava antes de 1967 e das tentativas de descrevê-lo como um violento agressor, retornará, pelo menos às mentes dos homens bem-informados e de boa vontade.
Se Israel for forçado a limitar o crescimento natural de seus vilarejos e pequenas cidades naquela parte da Palestina Mandatória que os jordanianos tomaram e mantiveram até 1967, terá tropas ali e não civis. Daí, a afirmação será que Israel é meramente um “ocupador militar”, por ter sido forçado a remover seus civis, que representam aquelas reivindicações legais, históricas e morais. O mundo não entende e não se solidariza com o empenho de Israel como a vítima de uma Jihad Menor, que foi abertamente reconhecida como tal e denominada assim por árabes e muçulmanos quando se dirigem a outros árabes e muçulmanos, mas não descrita assim quando estão sorridentemente apresentando a questão árabe ao Ocidente. Para o Ocidente, os que planejam destruir Israel apresentam um caso de pretensa vitimização. Mesmo assim, eles não fizeram nada para construir um Estado Palestino em Gaza, e existem com a única finalidade de destruir o que os judeus, tão incrivelmente, com tantas dificuldades e pesares, criaram a partir da “ruína” e da “desolação” descritas por todos os viajantes ocidentais do século XIX que visitaram a Terra Santa.
Sem aqueles vilarejos e pequenas cidades judaicos, os chamados “assentamentos”, Israel seria mais facilmente representado como não tendo reivindicação nenhuma a não ser a da ocupação militar do que é absurdamente denominado (pelos jordanianos) de “Margem Ocidental” – isto é, partes da Judéia e de Samaria, como era chamada essa porção de terra por todos no mundo ocidental até que os jordanianos lhe deram outro nome, assim como os romanos mudaram a Judéia para Palestina e Jerusalém para Aelia Capitolina. Suas reivindicações legais, morais e históricas seriam esquecidas. Meu Deus, elas já foram esquecidas por muitas pessoas, até mesmo em Washington. Isso não poderia acontecer.
Acima de tudo, deve haver, para a sanidade moral de Washington, dos EUA e de todo o Ocidente, algum tipo de preservação do que pode apenas ser chamado de senso de justiça, ou de igualdade. Em época de contínuo esbanjamento de homens, dinheiro e materiais no Iraque, no Afeganistão, no Paquistão, a confusão sobre o islamismo e a ignorância dele, que causam tal desperdício (totalmente desnecessário se os mais preparados fossem ouvidos), também se revela na tentação do apaziguamento. E, assim como foi com Chamberlain e Daladier, em 1938 em Munique, nossos atuais líderes do mundo ocidental, não sabendo o que fazer sobre o islamismo, e recusando-se conscientemente a verificar mais profundamente o assunto, possivelmente por medo do que poderão encontrar, estão dispostos a conciliar, e a moeda que eles oferecem é a segurança e a seguridade de um país minúsculo.
Ao sacrificar esse país, por ouvirem as exigências dos nazistas ou dos muçulmanos árabes, as potências ocidentais – naquela época a Grã-Bretanha e a França, e hoje os Estados Unidos – esperam tornar as coisas melhores de certa forma. Não tornarão. Os Sudetos não saciaram o apetite de Hitler, pelo contrário, o aguçaram, e mostraram-lhe a pusilanimidade da França e da Grã-Bretanha. Forçar Israel a retroceder passo a passo para as Linhas do Armistício de 1949, as “linhas de Auschwitz”, como querem Mahmoud Abbas e os jihadistas vagarosos (rei Abdullah, da Jordânia, rei Abdullah, da Arábia Saudita, e todos os demais), apenas levará à destruição de Israel.
Justiça. Igualdade. Um sentido de história, e da tribo mais perseguida na história humana, os judeus. Um sentido de proporcionalidade, sabendo que os árabes são mais ricamente dotados, com terras e bens naturais, que qualquer outro povo na terra. Mesmo assim, em todas as terras que controlam, eles negam aos demais habitantes, a todos os não-muçulmanos e não-árabes, qualquer alusão não apenas a independência ou a autonomia, mas até mesmo a algo como igualdade com os árabes muçulmanos no comando.
Os judeus, como os coptas, como os maronitas, como os curdos, como os negros africanos do Sudão, como os berberes, como tantos outros povos não-árabes e não-muçulmanos, ao longo dos anos têm sido maltratados por esses muçulmanos árabes em todo o Oriente Médio e no Norte da África. Eles merecem o que pediram, e os líderes inteligentes que tiveram que tratar com os remanescentes do Império Otomano sabiam que eles mereciam o que pediam: o direito de comprar terras do Estado Otomano, e de edificar um país, e de serem os herdeiros daquelas terras pertencentes àquele Estado. Isso era tudo o que pediam, e foi o que ganharam. Agora os árabes, determinados a negar a existência àquela nação-estado infiel, estão divididos entre os que, como os jihadistas rápidos do Hamas, querem ir para a matança imediatamente, e os que, como os jihadistas vagarosos do Fatah, vêem a sabedoria de desconstruírem Israel pacientemente, passo a passo, com a ajuda dos americanos e dos europeus (moral e geopoliticamente) confusos.
Rahm Emanuel, chefe de Gabinete da Casa Branca, é judeu. Seu pai nasceu em Israel e foi membro do Irgun (grupo paramilitar sionista que operava na Palestina antes da criação do Estado de Israel). Apesar disso, ele participa das pressões sobre Israel..

Finalmente, existe a falha de tantos não estudarem a forma como os muçulmanos consideram os tratados feitos com os infiéis. Eles não seguem, como alguns podem brandamente pressupor, o princípio que parece tão óbvio aos ocidentais, mas que, de fato, teria que ser alcançado e depois aceito como foi em todo o Ocidente, a saber, aquele princípio que é conhecido como Pacta Sunt Servanda, ou seja, “tratados são feitos para serem obedecidos”. Este é um princípio da lei ocidental, mas não da lei islâmica. No islamismo, o modelo para todos os pactos feitos com infiéis é aquele acordo, aquele “hudna”, ou aquela trégua de dez anos, feita por Maomé com os habitantes de Meca em 628 d.C. Esse pacto, dezoito meses depois de ter sido firmado, foi violado por Maomé sob um pretexto, quando sentiu que seu lado estava mais forte. Ele tem sido aclamado por esse esplêndido ato de astúcia, essa ilustração de sua freqüentemente repetida afirmação de que “guerra é engano”. Como os muçulmanos estão sempre em estado de guerra com quaisquer não-muçulmanos que resistam à dominação do islamismo, guerrear inclui fazer pactos para aquietar o inimigo, ou ganhar tempo para edificar suas forças, ou exercer a guerra, isto é, a jihad, por outros meios que não sejam o qitaal ou o combate, ou em combinação com o qitaal ou o combate.
Nada disso é inventado. Basta ler os muitos comentaristas muçulmanos sobre o islamismo. Leia também os comentaristas não-islâmicos. Leia Joseph Schacht, leia Antoine Fattal. Leia Bassam Tibi, leia Majid Khadduri. Verifique o que eles têm a dizer sobre Hudiabiyya (o tratado firmado por Maomé em 628 d.C.) e sua continuidade como o modelo principal para todos os pactos subseqüentes com não-muçulmanos.
Não é suficiente ser meramente “pró-Israel” se você não se importar em aprender sobre a natureza da guerra que está sendo travada contra Israel, e contra todo o mundo infiel. Pois, se você é um daqueles que pensa que o fato de “ser judeu” ou “ter um pai do Likud” ou “ser pró-Israel até o pescoço” (sombras de Rahm Emanuel, o chefe de Gabinete de Obama) lhe permite apoiar, ou parecer apoiar, as políticas que ameaçam a sobrevivência de Israel porque são baseadas em uma compreensão errada da natureza dos tratados com árabes-muçulmanos, e da natureza da guerra – uma guerra sem fim, mas que é administrável, que pode ser contida, através da invocação da “Darura” ou necessidade – então você está redondamente enganado e será surpreendido.

quinta-feira, 18 de março de 2010

Por Que Jesus Vai Voltar?


Um pai entrou no quarto onde seu filho estava brincando e assentou-se na cama e em silêncio ficou olhando o filho brincar. Depois de alguns momentos o menino olhou para o pai e disse: - o que você quer papai? - Nada filho, respondeu o pai, eu só estava precisando ficar perto de você.
Pessoas que se amam não conseguem viver longe, separadas, distantes, pôr muito mais tempo. O amor cria a necessidade de ficar junto com a pessoa amada.
Jesus experimentou os sentimentos do ser humano e sabe o que é ter saudade. Imagino que quando Jesus estava subindo ao céu, após Sua ressurreição, Seu grande coração ficou pequeno e apertado, com a realidade da separação de seus amados.
Imagine com que carinho e ternura Jesus pensou ao deixar Sua mãe, Seus irmãos, Seus discípulos e todos aqueles que Ele conheceu e se deixaram ser amados e tocados pôr Ele. Com que ardente desejo, Jesus deve ter dito: "Virei outra vez".
Quando Adão morreu, depois dos seus 930 anos, Jesus também sentiu saudade de ouvir a voz, ver os movimentos, sentir o cheiro de seu primeiro filho terrestre.
Ele tinha tanto desejo de estar com o homem que levou Enoque, o sétimo depois de Adão para ficar junto com Ele. De quando em vez, Jesus levava um de seus filhos fiéis para o céu, para matar a saudade.
Moisés, Elias e os que ressuscitaram junto com Jesus, foram para a casa do Pai e também representam o que Jesus vai fazer com você e comigo na Sua segunda vinda: levar-nos para estarmos para sempre com Ele.
Por isso O vemos afirmando através do apóstolo João no Apocalipse: "Certamente, venho sem demora" Apoc. 22:20. Jesus virá para buscar os seus filhos. Diz a Bíblia:"Quando vier o filho do homem na Sua majestade e todos os anjos com Ele... então dirá: Vinde benditos de meu Pai! Entrai na posse do reino que vos está preparado desde a fundação do mundo" Mat. 25:31 e 34.
Quando Jesus vier pela segunda vez, Ele vai ressuscitar os mortos de todos os tempos, que tiveram uma convivência de amor com Ele, para estarem eternamente juntos.
A Palavra do Senhor afirma: "Porquanto o Senhor mesmo, dada a Sua palavra de ordem, ouvida a voz do arcanjo, e ressoada a trombeta de Deus, descerá dos céus, e os mortos em Cristo ressuscitarão primeiro; depois, nós, os vivos, os que ficarmos, seremos arrebatados juntamente com eles, entre nuvens, para o encontro do Senhor nos ares, e, assim, estaremos para sempre com o Senhor" I Tess.4:16 e 17.
Jesus virá para por fim à morte que por tanto tempo reinou soberana na triste trajetória do homem no mundo.
Jesus vai por um ponto final na história da dor, da miséria e do sofrimento, história esta contada através dos séculos. "E lhes enxugará dos olhos toda a lágrima, diz o Apocalipse, e a morte já não existirá, já não haverá luto, nem pranto, nem dor, porque a primeiras coisas passaram"Apoc.21:4.
E Naum 1:9 afirma: "A angústia não se levantará por duas vezes". Nunca mais se ouvirá falar de revolta, decepção, aflição, ansiedade, greve ou injustiça, porque Jesus instalará um reino de justiça e paz.
"Nós porém, diz São Pedro, segundo Sua promessa, aguardamos novos céus e nova terra, nos quais habita justiça". II Ped. 3:13. A volta de Jesus garante uma nova vida de plenitude, isenta de qualquer vestígio do mal.
Quando Jesus vier, além do encontro com Ele, o céu vai promover o reencontro dos séculos, onde filhos, pais, mães, parentes e amigos, se unirão para nunca mais se separar.
Os que permanecerem vivos por ocasião da volta de Jesus, abraçarão os queridos ressuscitados, e todos, transformados, serão trasladados para junto do seu amado Senhor.
Nunca mais você vai ouvir falar de saudade. A distância, a morte, a escravidão, a pobreza e a miséria, não vão mais separar as pessoas.
Se nós pudéssemos resumir o porque Jesus vai voltar, diríamos que é porque Ele não aguenta mais viver longe dos filhos que Ele criou para estarem junto dEle.
Ele vem para buscar os que são seus. Ele vem para por fim à morte e ao pecado que trás consigo toda a maldição de sofrimento e dor. Ele vem estabelecer justiça para sempre.
Sabe querido amigo, você pertence a Jesus e Ele quer vir pra levar você para estar sempre junto dEle. Nunca mais você vai estar só, abandonado ou perdido.
É uma questão de amor, muito amor, e Ele já provou como e quanto ama você. Sua segunda vinda vai trazer a plenitude de vida e paz pelos séculos dos séculos.
Você e todos os que responderem à este amor são o motivo de Jesus voltar. Anime-se Ele já está vindo.

quarta-feira, 17 de março de 2010

NOTICIAS SOBRE MICROCHIP


SÃO PAULO - Pequenos chips capazes de revelar a localização de uma pessoa fazem sucesso em países com muitos seqüestros.
A companhia mexicana Xega revelou, este mês, vendas recordes de seu chip anti-seqüestro. A tecnologia usa um pequeno chip, do tamanho de um grão de arroz, que pode ser implantado debaixo da pele dos clientes, em regiões como antebraço, costas ou pernas.

O microchip tem a capacidade de enviar informações para satélites dizendo a localização dos usuários. O recurso é especialmente útil para ricos que vivem em países com altas taxas de seqüestros, como o Iraque, a Colômbia ou o México.
Instalar o chip no corpo custa US$ 4 mil ao usuário, além do pagamento de taxas anuais de US$ 2,2 mil. O chip tem algumas limitações, como não conseguir contato com os satélites quando a pessoa está numa área subterrânea ou debaixo de um teto muito espesso.
Mesmo assim, as informações geradas pelo microchip podem ser utilíssimas numa investigação policial. Permitem ver, por exemplo, o histórico de deslocamento da pessoa até que seu sinal seja “perdido” ou emitir alertas quando um usuário entra numa zona suspeita ou de risco.
Além de uso contra a criminalidade, a tecnologia de microchips sob a pele pode ser útil em tratamentos médicos, como controlar os deslocamentos de uma pessoa que tenha problemas de memória ou idosos que precisem de atenção constante.
A Xega, empresa desenvolvedora do microchip, diz que além de seu país de origem, tem planos de explorar seu produto em outros dois mercados com elevados índices de seqüestro: a Colômbia e o Brasil.

Já os frequentadores da discoteca Baja Beach Club [www.bajabeach.es] em Barcelona na Espanha, já estão vivendo com um microchip implantado no braço. A grande “vantagem” em implantar o chip estaria na facilidade de acesso e na praticidade no atendimento. Os portadores do microchip não precisam mais mostrar a carteira de identidade na portaria nem levar a carteira ou dinheiro para o clube. Além de armazenar os dados pessoais para identificação do cliente o chip serve para anotar as despesas de consumo para depois serem debitadas em cartão de crédito.

O Baja Beach Club foi o primeiro empreendimento no mundo a implementar o uso dos microchips em março deste ano. Os clientes que aderem ao sistema desembolsam 125 Euros ( mais de R$ 375,00 ). A aplicação do chip é feita sob anestesia local, por médicos em uma sala apropriada na própria discoteca e dura poucos minutos. O clube garante que o chip não traz nenhum risco à saúde nem efeitos colaterais.
O Chip utilizado em Barcelona foi desenvolvido pela empresa americana Applied Digital Solutions [www.4verichip.co], que há anos vem trabalhando no desenvolvimento desta tecnologia.
A esta altura os defensores da privacidade já estão de “cabelo em pé”.
Na Inglaterra um projeto para utilização de implantes de chips GPS como proteção anti-sequestro para crianças foi barrado por pressão de organizações de defesa dos direitos das crianças. Entretanto, a discussão sobre a legitimidade ética desta e de outras tecnologias ainda está longe de terminar. Uma recente pesquisa na Inglaterra mostrou que 2/3 dos pais estariam de acordo com a vigilância e controle biométrico de seus filhos.
A mesma discussão acerca da ameaça que estas tecnologias possa representar para as nossas garantias individuais envolve a utilização das chamadas “etiquetas inteligentes”. Muitos “evangelizadores” afirmam que a questão será facilmente resolvida, pois as pessoas serão “conquistadas” pela conveniência que estas tecnologias irão proporcionar. Me pergunto se teremos alguma escolha. Hoje, quem não tem celular já é olhado no mínimo como um “estranho”.
Este discurso entretanto se utiliza de um truque para causar confusão no debate: Debater uma questão ética com argumentos mercadológicos.
Ao abrirmos mão de nossa privacidade estamos abrindo mão de nossa soberania individual e abrimos o caminho para que 1984, Gattaca, Minority Report e tantas outras ficções se tornem realidade. A questão não é um embate entre “modernos” e “antiquados”. Não se trata de escolher entre o desenvolvimento tecnológico e a estagnação econômica. Se trata sim de manter o equilíbrio entre Lei e Ordem. Entre um sistema ético/filosófico/jurídico/político e um sistema técnológico/econômico/mercantil.
- Dando uma escapada para outra discussão quente: A mesma confusão acontece na questão do software livre. Uma questão tecnológica ( software com códigos abertos e compartilhados ), uma questão econômica/mercadológica ( licenciamento de software, domínio de mercado por um grande “player”, no caso a Microsoft ) e uma questão filosófica/política ( liberdade ), que por definição não tem nada uma a ver com a outra, se misturam nem sempre dando resultados muito racionais ou algo que se aproxime de um avanço.
Voltando à Barcelona, acredito que em termos práticos um dos argumentos mais fortes a serem analisados é com relação aos riscos à saúde. Faltam pesquisas conclusivas sobre os efeitos a longo prazo dos implantes. Mas acho que esta incerteza não preocupa os frequentadores da discoteca. Afinal, não seria esta a primeira “moda” cujas consequências só vieram a ser conhecidas mais tarde
 O "microchip"  é realidade  Também chamado de "chip" ou "biochip", é anunciado pela mídia como mais um avanço tecnológico que brevemente substituirá todos os documentos e formas de identificação pessoal e constituirá a única forma de identificação individual a nível global. Todavia, biblicamente ele é tratado como a "marca da besta" e será imposta a todos os seres humanos. Sua implantação em cartões de crédito, celulares, veículos, governantes, políticos, militares, animais e bolas de futebol oficiais representa apenas a técnica preparatória de abordagem inicial, até que se torne a realidade final e seja imposta a toda a humanidade juntamente com o governo mundial planejado pela Organização das Nações Unidas em sua Agenda 21. Mais uma vez a Bíblia se mostra à frente dos acontecimentos, revelando tudo de antemão. Só não crê nEla quem não quer enxergar a verdade. Todas essas notícias revelam os passos preparatórios para o cumprimento da profecia apocalíptica:

"E faz que a todos, pequenos e grandes, ricos e pobres, livres e servos, lhes seja posto um sinal na sua mão direita, ou nas suas testas,

Para que ninguém possa comprar ou vender, senão aquele que tiver o sinal, ou o nome da besta, ou o número do seu nome.

Aqui há sabedoria. Aquele que tem entendimento calcule o número da besta; porque é o número de um homem, e o seu número é seiscentos e sessenta e seis". (Apocalipse 13, 16 a 18).

Confronte a profecia com as notícias que circulam pelos jornais e internet:

JORNAL "O ESTADÃO" – julho/1998

ESTA PODERIA SER A MARCA DA BESTA?"Bom! Vocês estão pensando que se trata, talvez, de uma anedota ou de uma história maluca de ficção científica. Não amigos, não sejam precipitados!
Estas informações e as outras que se seguem aqui não são extraídas de filme ou de revistas de ficção científica. Elas são verdadeiras. Estas coisas se
passam aqui e agora. Tenham olhos bem abertos sobre os governos, principalmente os do primeiro mundo, sobre as "Nações Unidas" e sua agenda para a "Nova Ordem Mundial", a tão conhecida "globalização", e sobre a cobertura imediata da tecnologia e sua capacidade de resolver os problemas da humanidade. Estejam atentos, observem bem e logo verão por si próprios.
O progresso da tecnologia ligado à era dos computadores desses últimos anos preparou sem dúvida alguma, com muita sutileza o caminho da "marca da besta", descrita no Apocalipse 13, 16 a 18.
É sobre isto que lhes queremos falar, sobre o que de concreto já existe, por informação de um cientista de nome Carl Sanders, idealizador deste microchip, que hoje é convertido ao Evangelho de Nosso Senhor JESUS CRISTO. Já está nas mãos do governo americano um microchip que potencialmente poderá transformar-se na "marca da besta", sem a qual ninguém poderá comprar ou vender.
Carl Sanders é um gênio da engenharia eletrônica e era cientista a serviço do governo americano, trabalhou com o FBI, CIA, FIRS e agências de governos de outros países, criando para eles tecnologias de espionagens de segurança. Possui inúmeras patentes e foi recompensado pelo seu Mérito e Excelência de suas invenções.
Assistiu a 17 encontros da "Nova Ordem Mundial" ao lado de líderes mundiais, onde se discutiam planos que permitiriam a instalação do Sistema Mundial Único. O governo o encarregou de criar um microchip para identificação e controle dos povos do mundo inteiro, algo minúsculo que teria as características necessárias para poder ser implantado sob a pele, através de agulha hipodérmica.
Carl Sanders, com uma equipe de engenheiros ao seu lado, e sustentado por somas colossais de dólares, lança-se ao projeto e desenha o microchip (do tamanho de um quarto de um grão de arroz) que funciona através de uma pilha de Lithium, recarregável pelas mudanças de temperatura da pele. Na ignorância do que a Bíblia anuncia (Irmão Sanders não era cristão na época) esta equipe de pesquisadores gastou um milhão e meio de dólares para conhecer o lugar mais apropriado para este implante dentro de nossos corpos. Adivinhem o que eles descobriram? Não somente que a testa e o dorso da mão eram os dois lugares mais práticos, mas também os únicos confiáveis para o carregamento automático da pilha de Lithium por causa das mudanças rápidas de temperatura nesses dois lugares e as suas conseqüências sob a pele.
Ele tem a capacidade de armazenar páginas e páginas de informações sobre nós. Um histórico geral da nossa vida profissional, nosso boletim judicial, problemas de saúde, bem como todos os nossos dados financeiros. Seu emissor envia um sinal numérico que consiste em impulsos, fornecendo 85 elementos de dados. Ele emite também em intervalos regulares, um sinal análogo criado numericamente. Utilizado como um refletor este sinal envia informações essenciais servindo eventualmente para localizar o seu portador.
O microchip já foi testado e implantado em militares, enviados do governo e funcionários de empresas. Utilizados por ocasião da Guerra do Golfo, em 1991, demonstrou eficácia de 100%. O irmão Sanders sente-se desolado por ter participado desta invenção e crê que é o sinal falado na Bíblia, em Apocalipse 13, 16 a 18. Tire você mesmo a conclusão!"

JORNAL "ATUALIZANDO MEDJUGORJE"

(Ano XI – nº 128 – novembro 1998)

"Em setembro de 1998, chegam-nos informações enviadas por George Zsamboky, que nos falam do livro "The World's Last Dictator" ("O Último Ditador do Mundo) de Dwight L.Kirman, publicado em 1993, que diz, entre outras coisas: "O supercomputador gigante do mundo situa-se em Bruxelas, a Capital da Comunidade Européia das Nações". O supercomputador recebeu o nome de "besta". Isto é um fato. Aparentemente, a denominação "Besta" (em inglês, "Beast") foi formada pelas inicias de "Brusseis Eletronic Accounting Surveillance Terminal". A reunião de tais iniciais resulta em BEAST. Claro está que não se trata de simples coincidência – não foi a sigla que resultou dos nomes, foram os nomes que resultaram da sigla! Enfim, o computador gigante, iniciado há bastantes anos, está agora pronto. O Dr. Relfe, um autor cristão, informa ainda que qualquer que seja O NÚMERO de cada um de nós, ele terá de dar entrada no computador com a utilização de um prefixo de três dígitos? Sabem quais são esses três dígitos? Pasmem todos! Os três dígitos são 666! Poderá haver ainda alguma dúvida? Ninguém pode ter qualquer dúvida sobre a seriedade do assunto – trata-se de salvação ou perdição, felicidade eterna ou desgraça eterna, Vida ou Morte!
Um americano, Peter Goodgame, escreveu um interessante artigo em que relata: "Um ministro (protestante) em viagem por Porto Rico testemunhou algo inusitado! Ele se encontrava em um supermercado, na cidade de Fajardo, em uma fila, a caminho do caixa, onde pagaria por suas compras. À sua frente estava uma mulher que, ao chegar a sua vez, diante do caixa, estendeu sua mão e bateu com ela em um "scanner" (dispositivo de leitura ótica). Imediatamente a totalização de sua compra foi registrada e a mulher recebeu um comprovante de pagamento.
O ministro ficou impressionado, aproximou-se da mulher, e perguntou-lhe o que tinha acontecido. Ela sorriu e, tranqüilamente, explicou que possuía um implante na mão, que funcionava como um cartão de débito. A mulher informou, ainda, que naquela cidade, Fajardo, existia uma companhia americana que estava aplicando um teste para verificar se o corpo humano rejeitaria ou não o "chip" introduzido nele. Até onde aquela mulher tinha conhecimento, seis pessoas, em Fajardo, já haviam colocado o implante...".

segunda-feira, 15 de março de 2010

Igreja afasta monsenhores e padre acusados de pedofilia em Arapiraca (AL)

Obs...estou publicando isto aqui não porque tenho interesse de dar publicidade ao fato e sim pra alertá-los de que não é aconselável confiar em homens, seja ele qual for...Só confio e Adoro ao Deus Todo Poderoso...Os padres são homens e como tais estão sujeitos as mesmas paixões...Logo, quem não tiver pecado...atire a primeira pedra.

15/03/2010 - 14h57

Carlos Madeiro

Especial para o UOL Notícias
Em Maceió
A Igreja Católica anunciou neste fim de semana o afastamento de dois monsenhores e um padre do município de Arapiraca (AL), a 130 km de Maceió. Eles são acusados de participarem de esquema de pedofilia e vão responder a um inquérito policial por conta de denúncias feitas por ex-coroinhas e familiares.

A decisão da igreja foi anunciada durante celebração no último sábado (13) à noite, pelo bispo da diocese regional, Dom Valério Breda. Nesta segunda-feira (15), a cúria diocesana se reuniu para definir o nome dos substitutos das paróquias, entre elas, a catedral de Nossa Senhora do Bom Conselho, comandada por um dos acusados.
A Polícia Civil já instalou inquérito para investigar o caso. Duas delegadas já foram designadas para apurar as denúncias. O pedido de investigação partiu do Ministério Público Estadual.

O escândalo de pedofilia foi denunciado na última quinta-feira (11) pelo programa Conexão Repórter, do SBT. A reportagem especial, feita pelo jornalista Roberto Cabrini, denunciou diversos casos de pedofilia envolvendo os membros da igreja. Vários ex-coroinhas relatam casos de abusos sexuais contra crianças e adolescentes.

A prova mais contundente do esquema envolvendo os párocos é um vídeo onde o monsenhor Luiz Marques, de 82 anos, aparece praticando sexo com um adolescente que tinha 19 anos. A gravação seria de janeiro de 2009 e teria sido feita por outro ex-coroinha, que também teria sofrido abusos do padre.

A vítima contou que desde os 12 anos, quando ingressou na igreja, era assediado sexualmente pelo monsenhor. “Ele pegava nos órgãos genitais durante a missa, beijava minha boca na sacristia. Não tinha como defender. Hoje tenho muito medo do que possa acontecer comigo. Não posso ver um carro na minha porta que fico com medo”, contou o jovem identificado como Fabiano. Outros ex-coroinhas também denunciaram casos, e acusaram os outros dois integrantes da igreja de participarem do esquema.

As imagens causaram grande repercussão na cidade, que tem 200 mil habitantes e é a segunda maior de Alagoas. O DVD com imagens do abuso está sendo vendido por ambulantes da cidade, que comercializam a gravação por R$ 5,00.

Segundo moradores, o monsenhor Luiz Marques era reconhecido como um dos religiosos mais conservadores da região agreste. Como prova da influência, ele foi homenageado com o título de monsenhor e dá nome a uma escola municipal, além de ter sido um dos escolhidos pela igreja, na década de 80, para receber o então papa João Paulo 2º no Nordeste.

“Ele era um padre dos mais respeitados aqui do agreste. Ele se diz muito puritano. Uma vez, celebrando um casamento, ele mandou o noivo tirar o paletó para cobrir o decote da noiva, caso contrário não seguiria com a celebração”, contou ao UOL Notícias uma ex-frequentadora da igreja.

Depois da repercussão, outras famílias procuraram a imprensa e a Polícia para denunciar novos casos de assédio. “Eu tinha 16 anos e o padre começou a passar a mão em mim dentro da sacristia. Nunca tive coragem de denunciar, porque não foi tão grave e não passou disso”, contou José Marques, 38, que procurou um site local para denunciar o caso.

Advogado negaO advogado do monsenhor, Daniel Fernandes, afirmou que toda relação sexual contida no vídeo foi consentida pelos adolescentes e negou prática de pedofilia do seu cliente. Segundo ele, os jovens teriam tentado extorquir o monsenhor pedindo R$ 5 milhões para não divulgar o vídeo. Um documento chegou a ser assinado pelos ex-coroinhas, em junho de 2009, onde eles se comprometeriam em não divulgar e destruir o vídeo, em troca do "pagamento de uma dívida de cartão de crédito" superior a R$ 32 mil.

Durante o programa do SBT, o monsenhor não negou o assédio sexual a menores. “Não preciso admitir, nem negar. É caso de confessionário. Só ao meu confessor eu posso dizer qualquer pecado meu. Não admito que o senhor venha na minha casa saber disso. O senhor não tem esse direito, de entrar na minha privacidade”, disse.

Já os outros dois integrantes da igreja acusados de participarem do esquema negam qualquer ato ou assédio sexual a menores. Eles afirmaram, segundo a diocese regional, que esperam a investigação da Igreja.
Diocese lamenta
Em nota nesta segunda-feira, a diocese regional lamentou as denúncias e se disse chocada com as imagens. “Reprovamos, de forma irrestrita e com o coração despedaçado pela vergonha e pela tristeza, os fatos, mesmo que ainda não provados, veiculado na referida reportagem, que revoltam a são consciência humana e cristã”, diz o texto, acrescentando que “se há jovens vítimas, como a apresentação dos fatos parece aludir, sentimo-nos ainda mais consternados e no dever da reparação”.

Ainda segundo a diocese, nenhuma das supostas vítimas ou familiares procuraram oficialmente a igreja para fazer qualquer denúncia. Mas, por conta da repercussão, a igreja abriu processo de investigação interno e, “por prudência”, afastou preventivamente os acusados da atividade paroquial.

“Considerando a urgência e a necessidade de preservar a honra e o direito das pessoas citadas e da Igreja Católica, frente à gravidade dos fatos acima mencionados, decretamos a abertura de Processo Administrativo Penal, nos termos do Código Canônico. Estamos a total dispor das autoridades da polícia e da Justiça em geral para tudo o que se fizer necessário”, conclui a nota.

CPI da Pedofilia aprova diligências em Arapiraca; religiosos serão ouvidos


qui, 18/03/10
por Celio Gomes |
categoria Segurança

Foto: Agência Senado
Web10031801
Senadores Romeu Tuma, Magno Malta e Demóstenes Torres em sessão da CPI
|
14h57 - Foi decidido na reunião de hoje da Comissão Parlamentar de Inquérito da Pedofilia, no Senado, em Brasília: senadores devem visitar Arapiraca para fazer diligências sobre as denúncias contra os padres acusados de abuso sexual e pedofilia. O caso já teve até manifestação do Vaticano, que reconheceu a existências das denúncias no interior de Alagoas.
Em votação, na sessão que durou até o começo da tarde, a CPI aprovou um requerimento que propôs a diligência em Arapiraca. Nessas ocasiões, os integrantes da CPI costumam recolher documentos e ouvir testemunhas e supostos envolvidos nas denúncias. Desse modo, é provável que os padres prestem depoimento aos parlamentares.
O caso surgiu na semana passada, depois que imagens foram apresentadas em rede nacional de TV, nas quais um dos religiosos estaria em cenas íntimas com um menor, ex-coroinha da Igreja. Os religiosos citados – e já afastados de suas funções – são: o monsenhor Luiz Marques Barbosa, o monsenhor Raimundo Gomes do Nascimento e o padre Edilson Duarte.

Máfia da Pedofilia é investigada por suposta participação em assassinatos em Arapiraca

Senador Magno Malta diz que 'nesse mato tem mais coelho'
Wadson Correia
As supostas denúncias de crimes de pedofilia envolvendo os monsenhores Luiz Marques Barbosa, Raimundo Gomes Nascimento e o padre Edilson Duarte em Arapiraca, distante 130 km de Maceió, tem levado a polícia a uma série de novos casos.
As investigações são feitas pelas delegadas Barbara Arraes e Maria Angelita que têm ouvido mais relatos de jovens que teriam sido vítimas do esquema que começou a ser investigado após denuncias feitas por um grupo de ex-coroinhas de paróquias da cidade de Arapiraca.
Cícero Flávio Vieira Barbosa, 22, ex-coroinha e que se diz vítima dos religiosos relatou ao CadaMinuto detalhes de como era obrigado a manter relações sexuais com um dos padres.
“Durante nove anos eu era assediado e molestado pelo Monsenhor Luiz Marques Barbosa. Toda minha vida eu sempre quis dedicar minha vida a igreja porque minha família sempre foi católica só que quando eu descobri que o Monsenhor Luiz era um padre disfarçado na batina eu fiquei muito chocado e hoje me sinto abalado pelo que esta acontecendo, principalmente por as pessoas ‘enxergarem’ que ele é santo”.
O jovem foi enfático ao dizer que se sente ameaçado após ter feitos as denuncias.
“Me sinto ameaçado e eu não sei até que ponto isso vai chegar. Eu denunciei tudo por justiça, mas eu não sei qual vai ser a justiça deles”.
Mas para a surpresa do próprio jovem suas declarações ainda não foram tomadas pelas delegadas que informaram que estão analisando algumas informações que podem estender as investigações nas cidades de Feira Grande, Caraíbas, Anadia e Penedo, no Baixo São Francisco.
Outra suposta vítima, Fabiano da Silva Ferreira, 20, ouvido inicialmente pelo procurador da República em Alagoas, Rodrigo Tenório revelou detalhes de como aconteceram às filmagens que comprovam as relações sexuais mantidas pelos religiosos com os jovens, na época coroinhas.
“Além de mim, tinha o Flávio e outro coroinha que eram obrigados a praticar sexo com o Monsenhor Luiz Marques”.
O depoimento foi encaminhado ao Ministério Público Estadual – MPE/AL que determinou a Secretaria de Defesa Social que abrisse um inquérito policial sobre o caso, somente assim Fabiano foi ouvido pelas delegadas Bárbara e Angelita e revelou em depoimento outros detalhes do esquema.
Ontem, senadores que integram a Comissão Parlamentar de Inquérito da Pedofilia, votaram um requerimento aprovando a ida dos parlamentares até Arapiraca. O motivo, segundo avaliou o senador Moroni Torgan, presidente da CPI, foi o aumento das denuncias e o envolvimento de padres, empresários e até políticos no esquema criminoso. O senador foi enfático ontem ao afirmar que pretende também ouvir o Ministério Público pois, segundo ele, “esse mato tem mais coelho”. O Vaticano, que reconheceu a existências das denúncias, também irá indicar um representante para vim a Alagoas ouvir os religiosos acusados na chamada Máfia da Pedofilia. O senador José Nery (PSOL-PA) deverá acompanhar os depoimentos. Ele vai contar com a ajuda da Polícia Federal que irá ajudar nas investigações preliminares.
Durante à tarde de ontem, quinta-feira (18), a polícia recebeu uma informação que pode ainda mais complicar a situação dos religiosos envolvidos na já denominada Máfia da Pedofilia.
A morte do motorista Marcos Antônio que aconteceu há três anos num acidente automobilístico nas proximidades da cidade de São Sebastião pode ser re-investigada.
No dia da morte a vítima dirigia uma meia caminhoneta que bateu em animais que estavam supostamente soltos em um dos trechos da AL-102. A polícia já sabe que Marcos Antônio também era obrigado a manter relações sexuais com o Monsenhor Luiz Marques Barbosa, que chegou a pagar as mensalidades da escola – Colégio Normal São Francisco de Assis, onde o jovem estudava.
Maikon, como era conhecido, teria discutido dias antes de morrer com o religioso que havia descoberto que ele estava prestes a se casar com uma jovem, fato que o Monsenhor não aceitava. A informação é que durante a briga o religioso teria feito ameaças de morte ao jovem, fato que até agora não se sabe se é ou não verdadeiro.
Outro caso que também chegou ao conhecimento da polícia envolve o Monsenhor Raimundo Gomes Nascimento, que teve um carro, de marca Polo, supostamente roubado em uma rua do bairro Santa Esmeralda, em Arapiraca. A polícia quer saber por que o roubo foi registrado mais de 4 horas após o assalto. Também chegou ao conhecimento da polícia, o que causou surpresa, que o suposto assaltante não teria levado uma volta de ouro que estava no pescoço do religioso.
Apesar de não querer confirmar mais detalhes sobre as denuncias cujo o inquérito segue em segredo de Justiça, a delegada Bárbara Arraes, deve ouvir nos próximos dias um motorista conhecido pelo nome de John Carlos, que trabalhava para o Monsenhor.
Ele seria uma suposta peça chave para esclarecer o assassinato do sargento PM Valmir Tavares da Silva, 42, assassinado a tiros nas proximidades do Hospital Santa Maria, no Centro de Arapiraca. Um cabo PM identificado como Arenilton, que estava no mesmo veículo que o sargento, ficou ferido e foi encaminhado à Unidade de Emergência do Agreste.
No momento do crime, Valmir estava em um Eco Sport, de cor branca e placa MUS 5105/AL quando foi abordado e atingido por diversos tiros deflagrados por dois homens armados. A vítima trabalhava no Centro de Formação e Aperfeiçoamento de Praças, em Maceió e possuía uma empresa de segurança, com sede em Arapiraca e supostamente mantinha relações com o Monsenhor Raimundo Gomes e o motorista John Carlos.
A reportagem do CadaMinuto esteve na noite da quarta-feira (17) no condomínio Ouro Verde, em Arapiraca, local fechado que conta com um grupo de segurança privada, onde o Monsenhor Raimundo possui uma casa. No local, várias pessoas de classe média alta, se preparavam para participar da liturgia da palavra, que deveria ser celebrada pelo próprio religioso por volta das 22hs.
No local, mostrando desconfiança e um clima arredio, algumas pessoas tentaram impedir a reportagem, perseguindo por alguns minutos o carro de reportagem. Já os seguranças do condomínio afirmaram que o Monsenhor segue sua rotina normal, chegando a sair do local dirigindo seu próprio carro. Apesar do bispo Dom Valério Breda anunciar que todos os religiosos foram afastados de suas funções, Monsenhor Raimundo tem freqüentado a igreja de Nossa Senhora do Carmo, a qual ele era pároco.

Chanceler israelense boicota visita de Lula

15/03/2010 - 16h09

Jerusalém
  • O presidente de Israel, Shimon Peres e seu colega brasileiro, Luiz Inácio Lula da Silva, fazem a revista da guarda de honra durante cerimônia de boas vindas, em Jerusalém,
A visita de Luiz Inácio Lula da Silva a Israel foi boicotada pelo ministro de Assuntos Exteriores do país, Avigdor Lieberman, depois que o presidente brasileiro não visitou o túmulo do fundador do sionismo, Theodor Herzl.
Lieberman não compareceu nesta segunda-feira (15) à sessão especial do Parlamento israelense (Knesset) na qual Lula fez um discurso em protesto pelo que considerou como um grave descumprimento do protocolo, informou o serviço de notícias israelense "Ynet".


O porta-voz de Lieberman, Tzachi Moshe, confirmou à Agência Efe que o ministro não compareceu ao Knesset para o discurso de Lula, mas preferiu não comentar se o chefe da diplomacia israelense estaria boicotando a visita, a primeira de um chefe de estado do Brasil ao Oriente Médio em mais de 100 anos.

Lula não só deixará de visitar o túmulo de Herzl, como depositará flores no túmulo do histórico dirigente palestino Yasser Arafat durante sua visita a Ramala na quarta-feira.

Hoje de manhã, enquanto Lula mantinha um encontro privado com o presidente israelense, Shimon Peres, o chefe de protocolo do Ministério de Assuntos Exteriores israelense, Yitzhak Eldan, perguntou mais uma vez a seu colega brasileiro, embaixador George Monteiro Prata, se o presidente tinha mudado de opinião.

Prata respondeu com um firme "não", informou o jornal "Jerusalem Post".

"Eldan ficou claramente incomodado", diz a publicação.

Ainda segundo o "Jerusalem Post", quando perguntado por um jornalista sobre por que Lula visitará o túmulo de Arafat e não o de Herzl, Prata respondeu que "terão que perguntar ao presidente"


domingo, 14 de março de 2010

OBAMA ESTÁ PRESTES A ABANDONAR ISRAEL!

O homem que ocupa a Casa Branca deveria ser alertado: há a possibilidade de que uma oposição a Israel poderia liberar o juízo de Deus sobre os EUA. A posição que a Casa Branca assumiu para com Israel é certamente uma posição que, de uma perspectiva bíblica, poderia trazer calamidade sobre os Estados Unidos.Aliás, o impacto já está sendo sentido. Os cidadãos americanos estão perdendo seus empregos, seus benefícios e seus lares. Indústrias que estão falindo estão sendo engolidas pelo sem precedente socialismo governamental.

A Bíblia é bem explícita sobre como Israel tem de ser tratado. Gênesis 12:3 diz: “Abençoarei aqueles que te abençoam, e amaldiçoarei aqueles que te amaldiçoam”.
Os Estados Unidos há muito tempo têm sido o aliado mais sólido de Israel. Mas a oposição gradativa a Israel começou durante os Acordos de Camp David em 1979, feitos pelo Presidente Jimmy Carter. Contudo, o Presidente Ronald Reagan permaneceu firme em 1 de setembro de 1982, quando disse: “Os Estados Unidos não apoiarão o estabelecimento de um Estado palestino independente na Margem Ocidental e em Gaza”.
O Presidente Bill Clinton, que promoveu os Acordos de Oslo com o terrorista Yasser Arafat, foi o primeiro a sugerir que os EUA deveriam aprovar a criação de um Estado palestino. O Presidente George W. Bush foi o primeiro a declarar explicitamente essa idéia. E o atual governo americano marcou uma mudança importante nas relações com Israel.
Obama atrelou a segurança israelense com o Irã ao progresso de Israel no estabelecimento de um Estado palestino. Ele anunciou para os israelenses que Israel não é mais um aliado especial dos EUA. Ele insinuou que Jerusalém será a nova capital de um Estado palestino. Mas Obama está prestes a dar uma impressão clara para o mundo muçulmano e para Israel de que os EUA estão abandonando Israel.
Conduzindo seu discurso de apaziguação islâmica no Cairo, Obama salientou suas raízes muçulmanas — algo que ele evitava fazer durante a campanha eleitoral. O noticiário televisivo ABC News noticiou que o Assessor de Segurança Nacional Denis McDonough disse para os repórteres que Obama experimentou o islamismo em três continentes, principalmente crescendo na Indonésia com um pai muçulmano.
Em 6 de abril, Obama disse ao Parlamento da Turquia que muitos americanos “têm muçulmanos em suas famílias ou têm vivido num país de maioria muçulmana. Sei disso porque sou um deles”. Esse foi o mesmo discurso onde ele disse que os americanos não consideram os EUA uma nação cristã.
Nesta semana, ele disse para o Canal Plus da França: “Um das coisas que quero deixar claro é que se realmente pegássemos o número de muçulmanos nos EUA, veríamos que somos um dos maiores países muçulmanos do mundo”.
O jornal The Telegraph, da Inglaterra, tomou nota, dizendo que isso é uma ousada mudança de direção: Obama está “se apresentando ao mundo islâmico como a personificação de uma nova, tolerante e — sim, parcialmente muçulmana — nação americana”.

Sim… e, profeticamente, uma mudança de direção possivelmente devastadora.

sábado, 13 de março de 2010

Brasil, terra de terremotos também

Brasil, terra de terremotos também

Muita gente acredita que eles não ocorrem aqui, mas todo ano são registrados cerca de 90; pesquisa da USP explica o porquê

Evanildo da Silveira escreve para ‘O Estado de SP’:

O terremoto do dia 8 de fevereiro na região central do Estado do Amazonas é apenas o mais recente registrado no Brasil. Embora muita gente acredite que não ocorram no país, todos os anos são registrados cerca de 90.
Até há pouco, a explicação para eles eram rachaduras na placa tectônica na qual o Brasil está assentado. Agora, no entanto, uma pesquisa da USP foi um pouco mais fundo na explicação.
Os sismos estariam relacionados à espessura da litosfera, a camada de rochas rígida mais externa da Terra.
Para entender a ocorrência de terremotos é preciso ter em mente que o planeta não é uma bola de rocha compacta. Na verdade, é composto de três camadas principais, como uma cebola.
A mais externa é a crosta, que tem em média 35 quilômetros de espessura. Abaixo dela vem o manto, que representa 80% do volume da Terra, é formado por rochas maleáveis, parcialmente fundidas, e vai até 2.900 quilômetros de profundidade.
Por fim, encontra-se o núcleo, que tem um terço da massa do planeta e compõe-se basicamente de ferro e níquel líquido, com um caroço sólido.
A crosta e a parte superior e rígida do manto formam a litosfera, camada que suporta os continentes e oceanos. Ela não é inteiriça, no entanto.
Forma-se por um mosaico de enormes placas, chamadas tectônicas, que se encaixam como em um quebra-cabeças. Elas não são fixas e flutuam, por assim dizer, no manto semifundido, levando os continentes.
Nesse flutuar, uma roça ou penetra por baixo ou se acavala em outra. Esse choques deformam suas bordas e liberam enormes quantidades de energia, que chegam à superfície em forma de terremotos.
Por isso, eles são mais comuns nas regiões onde as placas se ligam. Os tremores também ocorrem, entretanto, no interior das placas, só que com menos freqüência e menor intensidade. É o que acontece no Brasil.
O país está assentado na parte continental da placa sul-americana, que sustenta toda a América do Sul e parte do Oceano Atlântico.
Essa placa sofre pressões da de Nazca, a oeste, que suporta o fundo do Oceano Pacífico e gera os sismos comuns nos Andes, da placa do Caribe ao norte e da cadeia de montanhas submarina meso-atlântica, a leste, em contínua expansão.

Tomografia

Essas pressões geram tensões, que se acumulam e de tempos em tempos acabam liberadas em forma de terremoto.
O que o geofísico Marcelo Assumpção, do Instituto de Astronomia, Geofísica e Ciências Atmosféricas (IAG/USP) descobriu, após 12 anos de pesquisas, é por que os sismos são mais comuns em algumas regiões do Brasil.
Para isso, ele realizou uma tomografia de uma área de 2 milhões de quilômetros quadrados – um grande retângulo abrangendo partes das Regiões Sul, Sudeste, Centro-Oeste e Nordeste, que revelou a constituição das rochas até uma profundidade de cerca de mil quilômetros.
‘Realizamos a tomografia analisando as ondas sísmicas geradas por cerca de mil terremotos, ocorridos em todo o mundo, durante os últimos dez anos, e captadas por sismógrafos instalados em 59 localidades da área estudada’, comenta Assumpção.
Isso foi possível porque as ondas sísmicas atravessam o planeta em velocidades variadas, dependendo da temperatura e da constituição das rochas.
‘Sabe-se que a velocidade das ondas é menor em rochas quentes e maior nas frias’, explica o geofísico da USP.
Assim, analisando as ondas de um mesmo terremoto captadas por mais de um sismógrafo, distantes um dos outros, e verificando a diferença de tempo de chegada, pode-se determinar sua velocidade.
O que, por sua vez, torna possível estabelecer o tipo e a temperatura das rochas pelas quais as ondas atravessaram.
Com isso, foi possível a Assumpção determinar que a espessura da litosfera da grande região retangular que ele pesquisou pode variar de 100 a 300 quilômetros.
De posse desses dados, comparou-os com os registros históricos dos terremotos. Sua suspeita se confirmou.
‘Nos locais em que a litosfera é mais quente e fina e, portanto, mais fraca, a ocorrência de terremotos é muito maior do que naquelas em que ela é mais fria, espessa e rígida.’
Segundo ele, na região que estudou ocorrem cerca de dez terremotos por ano, de magnitude superior a 3 na escala Richter.
A maioria é registrada em duas regiões distintas, uma que abrange o oeste de Goiás e leste do Pantanal, e outra o Triângulo Mineiro e nordeste de SP.
‘O ponto em que a litosfera é mais fina é no município de Iporá, em Goiás, onde é de cerca de 100km’, diz Assumpção. ‘Ali ocorrem, em média, dois terremotos por ano, de magnitude igual ou maior que 3.’
Até 1 milhão de tremores por ano. Poucos percebem
Todos os anos, estima-se que entre 500 mil e 1 milhão de tremores sacudam o planeta, a maior parte sem ser percebida pelas pessoas, mas apenas pelo sismógrafos, aparelhos que detectam os abalos.
Só os mais fortes, no entanto, são denominados terremotos. São cerca de 100 mil por ano, sentidos sem a necessidade de equipamentos. Desses, pelo menos mil causam vítimas ou danos.
Os terremotos são classificados pela magnitude, relacionada à quantidade de energia liberada no seu foco, normalmente situado nas profundezas da Terra. Ela não tem limites inferior nem superior, sendo condicionada pela resistência das rochas da litosfera, onde a maioria dos tremores se origina.
Por isso não é correto dizer que a escala idealizada pelo americano Charles Richter, em 1935, que leva seu nome e indica a magnitude de um sismo, vai até 9.
O engano se deve, talvez, à raridade de terremotos dessa grandeza. Poucos foram registrados, como os de Kamchatka, na Rússia, em 1952 (9,0 na escala Richter), na Ilha de Andreanof, no Alasca, em 1957 (9,1), no Chile, em 1960 (9,5), Anchorage, no Alasca, em 1964 (9,3), e em Sumatra, em 26 de dezembro de 2004 (9,0), que causou os tsunamis.
A escala Richter avalia os sismos conforme a energia que liberam. Ela é logarítmica, o que significa que um terremoto de 7 pontos é 10 vezes maior que um de 6 pontos, que é cem vezes maior que o de 5, mil vezes maior que o de 4 e assim por diante.
Em termos de perdas econômicas e de vidas humanas nem sempre a magnitude do terremoto é o mais importante. Pesa o local, se muito povoado ou não.
Dois dos terremotos que mais causaram danos tinham magnitude inferior a 8, o de Tangsham, na China, de 1976 (7,9), com mais de 1 milhão de mortes, e o de Kobe, no Japão, em 1995, que prejuízos acima de US$ 200 bilhões.
No Brasil nunca ocorreu e provavelmente jamais haverá sismos tão devastadores. Os maiores ocorreram em áreas desabitadas.
O mais intenso foi registrado em 31 de janeiro de 1955, no município de Porto dos Gaúchos (MT), e alcançou 6,6 pontos na escala Richter.
Uma série de terremotos na cidade de João Câmara (RN), entre agosto e dezembro de 1986, deixou 4 mil casas destruídas ou danificadas.
(O Estado de SP, 6/3).

A crosta terrestre é uma coleção de placas individuais repletas de rachaduras que vagam sem rumo há milhões de anos. Sobre elas estão assentadas todas as cidades, árvores, cadeias de montanhas, rios e oceanos, que junto com elas também estão à deriva. Constantemente essas placas se tocam, se afastam ou mergulham uma abaixo da outra, produzindo violentos terremotos que chacoalham as cidades que repousam sobre elas.

A costa oeste dos EUA, especialmente a Califórnia, é um dos lugares com a maior atividade sísmica do planeta. É ali que se encontra a conhecida falha de San Andreas, uma gigantesca rachadura visível de 1300 km de extensão que marca os limites entre as duas maiores placas tectônicas do planeta: a placa norte-americana e a placa do Pacífico.
Apesar de não perceptível aos nossos olhos, naquela região a placa norte-americana desliza 14 mm por ano em sentido sudeste enquanto a placa do Pacífico se desloca em sentido oposto a 5 mm por ano. Vez por outra a resistência entre elas aumenta e a energia do movimento se acumula até ser repentinamente liberada. Esse deslizamento entre as placas causa grande instabilidade em todo o Estado da Califórnia e foi a causa do violento terremoto que abalou a cidade de São Francisco em 1906.
A imagem vista acima retrata claramente as consequências desse movimento. A cena mostra uma parte da falha de San Andreas a oeste da Baía de San Francisco, onde a represa de Crystal Springs armazena milhões de litros de água em uma das rachaduras entre as duas placas tectônicas. Um levantamento feito em 2008 mostrou a existência de mais de 300 falhas em todo o Estado da Califórnia.
A cena também mostra a rodovia interestadual I280, no lado esquerdo da falha e a Rota 91, que cruza desde o topo direito até o centro esquerdo da foto. A Baía de San Francisco é vista no topo direito da cena.
A imagem foi capturada através do radar de abertura sintética UAVSAR a bordo da aeronave Gulfstream III da Nasa, em novembro de 2008. A campanha de sensoriamento tem o objetivo de mapear a mesma região repetidamente com o objetivo de criar uma coleção de mapas em três dimensões do local sobrevoado. Com as imagens os cientistas pretendem visualizar micro deformações topográficas de apenas 3 centímetros, o que pode indicar os pontos da superfície em que as placas estão se tocando.
O Grande AbaloDe acordo com o Instituto de Pesquisas Geológicas dos EUA, USGS, o Estado da Califórnia tem mais de 99% de chances de ser atingido, nos próximos 30 anos, por um grande terremoto superior a 6.7 graus 46% de possibilidades para a ocorrência de um poderoso abalo de 7.5 graus, que os habitantes chamam de "Big One", capaz de sacudir a cidade de Los Angeles com graves consequências. No entender de especialistas, um abalo de grande intensidade poderá causar a separação da Califórnia do resto do continente americano.

Postagem em destaque

Em 1/3 dos países do mundo é proibido evangelizar

As leis que proíbem a blasfêmia são “alarmantemente difundidas” em todo o mundo, com muitos países estabelecendo punições desproporcionais,...