sexta-feira, 14 de novembro de 2008

Nova Ordem Mundial "As dores de Parto"

Na Europa, 10 mil pessoas estão sendo demitidas por dia. Nos EUA, o nível de desemprego sobe assustadoramente. A Alemanha, terceira economia mundial e a maior da Europa, entrou em recessão. No dia 16/11 foi noticiado que a segunda maior economia do mundo, o Japão, também tinha entrado em recessão. No Brasil, os juros do cheque especial alcançaram recordes nos últimos dias. Na China, mais de 60.000 fábricas tiveram que fechar as portas nas últimas semanas. No grande país asiático, os trabalhadores que ainda mantêm seus empregos estão tendo redução de até 75% em seus salários
As dores se aprofundam a cada dia. É momento de ter uma grande atenção no cenário profético já que o controle que a besta exercerá sobre a humanidade, além das óbvias intenções espirituais, terá implicações eminentemente financeiras, que incidirão nas transações comerciais e consumo diário das pessoas (Apocalipse 13:16-17). Esse controle poderá ter seu começo já nesta crise ou em outra futura, porém, acima de tudo, é importante estar atento. Enquanto mais radical e ameaçadora for a crise, mas aberta estará a população mundial para aceitar as "soluções" propostas, sejam elas quais forem.
Nos últimos dias os governos continuam ajudando os bancos em dificuldades, usando reservas federais. Só que essas reservas tem um limite... No país mais rico do mundo, pessoas estão perdendo suas casas e empregos. O preço do dólar se torna uma grande dificuldade para muitos países, principalmente aqueles em desenvolvimento. Grandes bancos começam a se fundir, a exemplo do que ocorreu no Brasil, com a fusão do Itaú e o Unibanco, criando o maior banco do hemisfério sul. Essa tem sido uma tendência mundial. De uma forma rápida e definitiva, pequenos bancos estão "desaparecendo", seja por causa de falências ou por causa de fusões. Enquanto menos bancos, mais fácil fica o controle...
Sem dúvidas, há uma corrida rumo à centralização do controle financeiro global, mudança nos padrões de câmbio e de moeda, mega corporações financeiras surgindo e uma participação de todos os países na "solução" da presente crise. Todos esses fatores apontam para a concretização de Apocalipse 13:16-18 e para o surgimento e consolidação dos dez chifres, que deverão ser formados antes do surgimento do anticristo.

O FENÔMENO OBAMA

Nesta semana, conversando com amigos horas após a eleição de Barack Obama para a presidência dos EUA, eles me perguntavam se toda essa comoção global em função de uma eleição era "normal". Haveria algo estranho no fato de pessoas chorarem diante do candidato eleito ou de pessoas em todo o planeta se emocionarem e expressarem uma alegria exacerbada em ver Barack Obama na Casa Branca? Essa fixação em torno do personagem Obama é natural ou algo que não sabemos explica tal fenômeno? Por que a figura de Barack Obama assumiu ares messiânicos em todas as partes do mundo? Sem dúvidas, estamos diante de um fenômeno. Há muito tempo um presidente americano não tinha a popularidade mundial que Barack Obama tem mesmo antes de assumir o cargo. Nunca antes se criou uma onda tão grande em torno do conceito de "mudanças". Pessoas em todo o planeta esperam que o próximo presidente americano seja o grande líder que derrubará barreiras e solucionará problemas e conflitos planetários. Há forças inexplicáveis por trás disso? Não sabemos. Porém, é muito importante estar atentos a tudo o que ocorrerá nas próximas semanas. Uma grande lição ficou no ar. Nestas últimas horas foi fácil perceber o quanto as pessoas estão sedentas e preparadas para endeusar um grande líder que traga reais soluções. Certamente o inimigo usará essa carência planetária por um líder. Não estamos afirmando que isso ocorrerá necessariamente com Obama, mas que já existe um clima apropriado para que o falso profeta e o anticristo se manifestem.

EXPECTATIVA X DECEPÇÃO

Seja como for, há um detalhe que certamente falará mais alto. A grande expectativa gerada pela chegada de Obama à Casa Branca, tarde ou cedo se transformará em decepção, considerando o grande grau de esperança depositada. Humanamente falando, é impossível que Barack Obama preencha todas as expectativas por "mudanças". O próprio presidente eleito, em seu discurso no final do dia 04/11/08 em Chicago, falou abertamente que alguns de seus projetos poderão sofrer atrasos. A crise financeira certamente falará mais alto, obstruindo muitos projetos do democrata, a não ser que algo realmente sobrenatural aconteça! Por isso é necessário que estejamos alerta para essas duas possíveis realidades. Se houver uma grande decepção, então significará que a crise terá aumentado, criando nas pessoas um desejo cada vez mais forte por qualquer solução. Se, por outro lado, houver uma solução humanamente inexplicável, então estaremos diante de momentos decisivos no cenário profético.

O PERFIL DE OBAMA


Diante da atual crise, Obama tem o perfil ideal para ser o presidente americano que aceitará a formação dos dez chifres. São dois fatores fundamentais que fazem deste momento um tempo propício para que os 10 chifres possam surgir e serem implantados como Nova Ordem Global. Em primeiro lugar, a própria crise, que causa o enfraquecimento dos EEUU e faz necessária uma solução global e conjunta urgente para reformular o sistema financeiro mundial. Em segundo lugar, a própria figura de Obama, com o seu perfil liberal e tendências ecumênicas. Uma notícia bem emblemática sobre essa questão foi divulgada durante a campanha pelo jornal italiano La Repubblica, onde se informava que o então candidato Barack Obama carregava consigo para dar "sorte" uma série de amuletos, desde símbolos católicos até o símbolo de uma entidade hindu em forma de macaco. Obama disse que os carregava sempre em ocasiões importantes, como comícios e debates. Ele disse que "os objetos o ajudam a ter segurança e determinação...”. Vamos permanecer atentos!


A QUESTÃO DO IRÃ

Estamos num momento crucial para a invasão de Gog a Israel. Há fatores importantíssimos ocorrendo ao mesmo tempo. O primeiro deles é a chegada de Barack Obama à presidência dos EEUU. Ele já declarou que retirará em pouco tempo as tropas americanas do Iraque. Sem tropas americanas no Iraque, um ataque russo por terra a Israel, a partir o Irã e da Síria, seria muito mais fácil. Não podemos esquecer que a profecia de Ezequiel 38 e 39 descreve um ataque por terra a Israel feito por um grande número de tropas de vários países aliados (Rússia, Irã, etc). Um ataque rápido e inesperado, porém minuciosamente planejado (Ezequiel 38:10-12). É como se Gog estivesse esperando para "dar o bote" na hora certa.
Por outro lado, o Irã está sendo um dos países mais prejudicados com a atual crise financeira global, em função da queda do preço do petróleo. A economia iraniana depende quase exclusivamente do petróleo. Conseqüentemente, um conflito para o Irã, nesse momento, poderia ser benéfico para os seus interesses...
Em terceiro lugar, existe a questão do programa nuclear iraniano. Essa questão não pode se prolongar por muito tempo. Recentemente, o presidente francês, Nicolas Sarkozy, declarou que "...a comunidade internacional está entrando em uma etapa "muito difícil" em relação ao programa nuclear do Irã..." Ele reconheceu que as gestões realizadas pelo o bloco europeu está em ponto morto e que a comunidade internacional tem um ano e meio para resolver a situação, porque em caso contrário se entraria em uma etapa de incerteza muito delicada...
Por último, existe a disputa das grandes potências. Apesar do clima de aparente paz reinante desde o fim da guerra fria, as grandes potências bélicas (EEUU, União Européia, Rússia e China), continuam "marcando territórios" de um ponto de vista estratégico. Temos comentado várias vezes neste site que, cedo ou tarde, as grandes potências terão que disputar à força os poucos recursos naturais ainda disponíveis no planeta. A cada dia, esse momento se aproxima mais. Veja a seguinte notícia:


"Rússia colocará mísseis em enclave no Mar Báltico" (BBC BRASIL - 05/11/08)


"O presidente da Rússia, Dmitry Medvedev, anunciou nesta quarta-feira que vai colocar novos mísseis em um enclave no Mar Báltico, perto da Polônia, país que é membro da Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte). Segundo Medvedev, os mísseis Iskander, de curto alcance, serão colocados na região de Kaliningrado, onde "neutralizariam" o sistema antimísseis americano planejado para ser implantado na Polônia e na República Checa. "Naturalmente, nós também consideramos usar os recursos da Marinha russa com a mesma finalidade", disse Medvedev, em seu primeiro discurso sobre o estado da nação desde que assumiu o poder em maio.
O presidente russo também afirmou que seu país poderá atrapalhar eletronicamente o funcionamento do sistema americano. Os Estados Unidos dizem que o sistema é uma proteção contra mísseis de países que desrespeitam as leis internacionais, mas o governo russo considera o plano uma ameaça direta a seu território. Ainda no discurso sobre o estado da nação, Medvedev disse que pretende estender o mandato de presidente de quatro para seis anos, mas não esclareceu se isso seria feito já em seu mandato ou para seu sucessor. Segundo correspondentes, há muito tempo se especula que Medvedev é apenas uma peça temporária para que o atual primeiro-ministro Vladimir Putin – que completou os dois mandatos permitidos na Presidência – possa voltar ao cargo. O presidente russo disse ainda que a guerra na Geórgia, em agosto, foi resultado de uma política externa "arrogante" dos Estados Unidos. De acordo com Medvedev, "o conflito no Cáucaso foi usado como pretexto para mandar navios de guerra da Otan para o Mar Negro e também para a imposição de sistemas americanos antimísseis na Europa". Em meio às críticas aos Estados Unidos, o líder russo afirmou que seu país "não retrocederá no Cáucaso". Medvedev também culpou o governo americano pela atual crise financeira mundial, mas disse que a Rússia vai "superar" o desafio"

Essas declarações do atual presidente da Rússia, Dmitry Medvedev, são bastante emblemáticas e mostram quais são os reais interesses que existem por trás da aparente paz que reina entre EUA e Rússia. O ex-presidente, Vladimir Putin, pode voltar ao poder em 2009. Na verdade, é ele quem comanda as principais decisões russas. É muito interessante também perceber que o atual presidente russo, em seu “recado” aos EEUU menciona que “...poderá atrapalhar eletronicamente o funcionamento do sistema americano...”, numa muito provável alusão à tecnologia escalar que, de acordo com alguns especialistas, é uma vantagem da Rússia sobre os EUA neste momento.

No próximo dia 15/11/08 será realizada em Washington uma grande cúpula com os países mais desenvolvidos e aqueles em desenvolvimento. Essa reunião foi convocada emergencialmente pelo presidente americano, George Bush. Hoje, dia 08/11/08, o presidente brasileiro, Luiz Inácio Lula da Silva, disse durante uma reunião do G20 em São Paulo que "a crise é conseqüência da crença cega na capacidade de auto-regulação dos mercados e, em grande medida, na falta de controle sobre as atividades de agentes financeiros. Por muitos anos especuladores tiveram lucros excessivos, investindo o dinheiro que não tinham em negócios mirabolantes. Todos estamos pagando por essa aventura".... De acordo com Lula, "...é hora de um pacto entre governos para uma criação de uma nova arquitetura financeira mundial...". Através dessas palavras podemos perceber que há um grande clamor para que haja um controle e monitoramento maior sobre as transações financeiras... Estaremos atentos a tudo o que ocorrerá na cúpula do dia 15/11/08, pois será um dia crucial para que medidas drásticas sejam tomadas ou propostas. As profecias estão se cumprindo e é fundamental, enquanto servos do Senhor, estarmos atentos a elas. É uma questão de vida ou morte!

Maranata,

Se você leu este artigo e ainda não tem a certeza da salvação eterna em Jesus, faça agora mesmo um compromisso com Ele! Convide-o para entrar em seu coração e mostrar-lhe a verdade que liberta. Veja porque você precisa ser regenerado e justificado, para viver a boa, perfeita e agradável vontade eterna do Criador. Clique AQUI.

Nenhum comentário:

Postagem em destaque

Em 1/3 dos países do mundo é proibido evangelizar

As leis que proíbem a blasfêmia são “alarmantemente difundidas” em todo o mundo, com muitos países estabelecendo punições desproporcionais,...