sábado, 31 de agosto de 2013

Enquanto isso no EGITO: Guerra civil

EGITO À BEIRA DE UMA GUERRA CIVIL
A foto acima ilustra o momento que vive o Egito. Após a saída do presidente Mohammed Morsi, deposto no dia 03/07/13, vários protestos violentos têm ocorrido no Egito, porém o que tem ocorrido nas últimas horas chama a atenção pela envergadura.
Segundo a versão oficial do governo, apenas nos confrontos do dia 14/08/13 foram mortas 278 pessoas e 2 mil ficaram feridas. De acordo com a Irmandade Muçulmana, são 2.200 mortos e cerca de 10 mil feridos.
Esse embate entre as forças armadas e grupos de muçulmanos que pedem a volta de Mohammed Musri, pode levar o Egito a uma guerra civil. A partir de 14/08/13, o governo militar do Egito decretou estado de emergência e toque de recolher.
De acordo com análises de especialistas, há uma considerável probabilidade que se deflagre uma guerra civil no Egito. No momento em que estamos postando esta edição, um prédio do governo egípcio em Giza acaba de ser atingido e várias outras repartições governamentais em todo o país, matando aproximadamente 500 pessoas hoje, dia 15/08/13. É bem conhecido de todos que na Síria já ocorre uma violenta guerra civil há muitos meses. Esse cenário de conflito é que se desenha para o Oriente Médio e estaremos bem atentos a todos esses acontecimentos.
No dia 13/08/13, Israel interceptou um foguete lançado contra a cidade de Eliat. De acordo com o governo de Israel, esse foguete foi lançado desde a fronteira com o Egito. Foi a primeira vez que o sistema israelense de defesa chamado de "Domo de Ferro" interceptou um foguete proveniente da fronteira com o Egito.  No dia 09/08/13, um ataque de drone israelenses havia deixado 5 mortos em território egípcio.
ISRAEL INTERCEPTA FOGUETE VINDO DA FRONTEIRA COM O EGITO
Enquanto isso, representantes palestinos e israelenses retomaram as conversas de paz num local secreto no dia 14/08/13. Existe uma grande expectativa sobre o que poderá ser acertado. Como já temos comentado outras vezes, o ponto central das negociações é Jerusalém. A Lei Básica de Israel, de 1980, estabelece que "Jerusalém, completa e unida, é a capital de Israel".
Já os palestinos querem o leste de Jerusalém como capital do Estado da Palestina. È bom lembrar que essa área de Jerusalém era ocupada pela Jordânia antes de ser retomada pelos israelenses em 1967.
A parte leste de Jerusalém, também conhecida como "cidade velha", é considerada o terceiro lugar mais sagrado do Islã. Ali está a mesquita de al-Aqsa e a Cúpula da Rocha (ou Domo da Rocha), de onde, acreditam os palestinos, Maomé teria visitado o céu em seu cavalo alado Burak.
Sobre esse tema específico de Jerusalém, os EEUU não reconhecem a anexação feita por Israel em 1967 do leste de Jerusalém. EEUU mantêm sua embaixada em Tel Aviv e não em Jerusalém. O presidente Barack Obama tem se oposto aos planos de Israel de construir casas para israelenses no leste de Jerusalém. Obama chegou a declarar, antes de se tornar presidente, que a tarefa de dividir a cidade seria "muito difícil de executar".

Cremos que tudo o que está ocorrendo no Oriente Médio neste preciso momento tem uma importância profética fundamental. Estaremos atentos aos próximos passos. Que o Altíssimo continue nos abençoando e guiando a toda a Verdade

Nenhum comentário:

Postagem em destaque

Em 1/3 dos países do mundo é proibido evangelizar

As leis que proíbem a blasfêmia são “alarmantemente difundidas” em todo o mundo, com muitos países estabelecendo punições desproporcionais,...