sexta-feira, 10 de fevereiro de 2017

Cegueira em relação a Israel


Teólogos sem entendimento

Como é possível que tantos teólogos tenham tão pouco entendimento quando se trata da Palavra Profética de Deus? Como é possível que muitos cristãos questionem o direito bíblico de Israel à sua terra? Como é possível que teólogos cheguem a afirmar que "todo cristão que tenta justificar a reivindicação de Israel à Palestina, é um descrente que nega a Deus e a Cristo"? Esse anti-sionismo não tem suas raízes no anti-semitismo, mas no antiquíssimo antijudaísmo.
Em seu panfleto "Contra os Judeus", St. Hipólito (falecido em 236 d.C.) escreveu que os judeus deveriam ser escravos dos povos não por 70 anos, nem por 430 anos, como no Egito, mas "para sempre"! Apesar disso, todos os anos a Igreja Católica festeja o dia de St. Hipólito. St. Atanásio (295-373), que goza de grande veneração como mestre da igreja e é lembrado a cada ano, ensinava que "os judeus são piores que o diabo". St. Efraim (306-373), cuja memória é celebrada anualmente, louvava: "Salve, ó igreja, que estás livre do cheiro dos fedorentos judeus!" Esses "Pais da Igreja", canonizados como santos, foram muitas vezes os mais selvagens inimigos dos judeus.
O grande reformador Martim Lutero também se perdeu em sua inimizade contra os judeus e escreveu no fim de sua vida: "Quero dar-lhes um precioso conselho. Em primeiro lugar, queimem as suas sinagogas e escolas com fogo, e o que não queimar cubram com terra para que pessoa alguma veja delas sequer uma pedra ou ruína para sempre. Isso deve-se fazer em honra a nosso Senhor e ao cristianismo, para que Deus veja que somos cristãos".
No livro "Das antike Weltjudentum" ("Judaísmo Mundial Antigo") publicado em 1943 pelo Reichsinstitut für Geschichte (Instituto Histórico do Reich) da Alemanha, os teólogos Eugen Fischer e Gerhard Kittel (conhecido pelo seu Dicionário Teológico) perderam-se em seu antijudaísmo a ponto de considerarem os judeus uma raça inferior por causa do formato de seu nariz.
Quando examinamos as doutrinas desses mestres eclesiásticos, constatamos que elas contêm muitos enganos que conduziram a cristandade por caminhos errados. Mas, como nascem esses enganos que revelam a cegueira espiritual?
Na minha opinião, uma das razões reside no fato de interpretar-se erradamente a passagem de Zacarias 2.8: "aquele que tocar em vós toca na menina do seu olho". Muitos pensam que trata-se da menina dos olhos de Deus. Um exame etimológico dessa expressão mostra, porém, que aquele que toca Israel toca a menina de seus próprios olhos, ou seja, cega a si mesmo para a verdade.
Arnold Ehrlich, um estudioso da Bíblia, escreveu em 1914 em sua obra "Randglossen zur Hebräischen Bibel": "...o sufixo no termo eino (do seu olho) refere-se à expressão hanogea (aquele que tocar). Sua relação com JHWH [Javé, o Senhor] seria irreverente e não teria cabimento. O sentido é: alguém que danifica seu próprio olho, perdendo sua visão sem poder culpar a outrem por isso".
O especialista em hebraico Dr. Mendel Hirsch escreveu a respeito de Zacarias 2.8: "Quem maltrata a Israel toca na menina de seus próprios olhos, minando a base de sua própria existência."
Isso responde à pergunta por que existem tantos teólogos que são verdadeiros cegos guiando outros cegos. Em algum momento eles tocaram em Israel e agora lhes falta a visão espiritual

Nenhum comentário:

Postagem em destaque

Seita chinesa acredita que Jesus reencarnou em mulher

A Igreja do Deus Todo-Poderoso (IDTP) é uma religião que nasceu no início dos anos 90 na China, e crê que Jesus reencarnou em uma mulher ch...