sábado, 5 de fevereiro de 2011

JERUSALEM

Cidade santa das três grandes religiões monoteístas, Jerusalém representa para os judeus a prova viva da grandeza passada e o pólo de seu renascimento nacional. Para os cristãos é o cenário da agonia e triunfo de seu salvador. E para os muçulmanos, o destino da viagem mística do profeta Maomé e local de um dos mais venerados santuários do Islã.
Entre os anos 1948 e 1967, Jerusalém esteve dividida entre Israel (Jerusalém ocidental) e Jordânia (Jerusalém oriental ou "cidade velha"). Em junho de 1967, durante a guerra dos seis dias, Israel ocupou o setor jordaniano, sobre o qual proclamou sua jurisdição. Seu estatuto como capital de Israel foi reafirmado por uma lei de 1980. Desde 1975, a Jerusalém unificada passou a ser a maior cidade de Israel.
Jerusalém (Yerushalayim em hebraico, Bait al-Muqaddas ou al-Quds em árabe) localiza-se no planalto central da Palestina, a 760m de altitude. Os limites municipais, definidos em 1967, vão do aeroporto de Jerusalém, ao norte, até os arredores de Belém, ao sul; e dos montes Ercopus e das Oliveiras, a leste, até as colinas Herzl, En Kerem e o Centro Médico Universitário Hadassah, a oeste. A leste da cidade localizam-se o mar Morto e, além das margens do rio Jordão, as áridas montanhas de Moab; a oeste, estão a planície costeira e o mar Mediterrâneo, a 58km de Jerusalém. A principal rodovia na direção norte-sul corta a cidade e a liga a Nablus, ao norte, e a Belém e Hebron, ao sul. Outra estrada une Jerusalém a Jericó a leste e, margeando o Jordão, ao mar da Galiléia no norte. A estrada de Allon atravessa o deserto da Judéia e liga Jerusalém aos núcleos israelenses na Samaria. Comunica-se também por auto-estrada com Tel Aviv-Jafa e com o aeroporto internacional Ben-Gurion.
A cidade tem um clima intermediário entre semi-árido e subtropical, com verão seco e quente e inverno frio e chuvoso. A média anual de chuvas é de 500mm, e ocorrem precipitações de neve a cada dois ou três anos. As temperaturas médias são de 24o C em agosto e 10o C em janeiro. O khamsin, ou vento quente do deserto, é comum na primavera e no outono.
 
História
Os primeiros vestígios do homem na região são do período calcolítico (idade do cobre) tardio e dos primórdios da idade do bronze (3000 a.C.) e foram encontrados numa colina a sudeste. A forma primitiva do nome da cidade, Urusalim, é provavelmente de origem semita e significa "fundação de Salém" ("fundação de Deus"). A cidade e seus primeiros governadores egípcios são mencionados em textos que remontam a 1900-1800 a.C. Uma narrativa bíblica refere-se à reunião do rei de Salém (Jerusalém), o cananeu Melquisedec, com o patriarca hebreu Abraão. No ano 1000, foi conquistada por Davi, fundador do reino de Israel e Judá, e se converteu em capital do estado. Salomão, seu sucessor, ampliou a cidade e edificou seu templo, criando assim um centro político e religioso do povo hebreu.
Em 922 a.C. Jerusalém foi saqueada pelos egípcios e, em 850, por filisteus e árabes. Com Ezequias, Jerusalém recuperou o antigo esplendor. Esse rei fortificou a cidade e garantiu o abastecimento de água por meio de um canal subterrâneo. Novamente, em 701, Jerusalém sucumbiu a Senaqueribe da Assíria, que lhe impôs pesados tributos. Em 602 foi saqueada pelos babilônicos, e seu rei deportado. Em 586 a cidade e o templo foram completamente destruídos por Nabucodonosor, e teve início o cativeiro do povo judeu na Babilônia. Em 537, Ciro II o Grande, rei da Pérsia, depois de derrotar os babilônicos, libertou os judeus e lhes permitiu o regresso a Jerusalém. O templo foi reedificado em 515 e a cidade se tornou centro do novo estado quando Neemias, por volta de 444, voltou a fortificá-la.
No ano 333 a.C., a expansão helenística iniciada por Alexandre o Grande aproximou Jerusalém, pela primeira vez, do mundo ocidental. Primeiro no reinado dos Ptolomeus do Egito e, depois, sob o domínio dos selêucidas (198 a.C.), os judeus lutaram para conservar sua fé. A dessacralização do templo pelo selêucida Antíoco IV deu lugar a uma rebelião comandada por Judas Macabeu em 167 a.C., que devolveu a independência a Jerusalém.
A expansão de Roma na Ásia levou à conquista de Jerusalém no ano 63 a.C. Não obstante, a habilidade política de Herodes I o Grande fez com que a cidade atingisse sua fase áurea no período imperial romano. Durante os 36 anos que durou o reinado de Herodes construiu-se o magnífico templo novo, que exigiu mais de uma geração de trabalhadores. Após a morte do monarca, em 4 a.C., subiu ao trono seu filho Arquelau, deposto pelos romanos no ano 6 da era cristã. Em seguida, governaram vários procuradores romanos, um dos quais, Pôncio Pilatos, condenou à morte Jesus de Nazaré. Entre os anos 41 a 44 da era cristã o reino de Herodes foi reconstituído por seu neto Herodes Agripa I. Em 66 os judeus se rebelaram contra Roma, e em 70 a cidade foi quase totalmente destruída pelas forças imperiais.
Logo começaram as peregrinações cristãs a Jerusalém. A conversão de Constantino o Grande e a peregrinação de sua mãe, a imperatriz Helena, que encontrou a "verdadeira cruz", foram fatos decisivos para o advento de uma das épocas mais prósperas da cidade. A idade de ouro terminou com a invasão persa no ano 614, que dizimou a população e destruiu todas as igrejas. Em 638 a cidade foi conquistada pelos muçulmanos e permaneceu em seu poder até 1099, quando foi ocupada pelos cristãos da primeira cruzada, que criaram o reino de Jerusalém. Em 1187 o reino cristão foi destruído por Saladino, e a cidade voltou ao domínio muçulmano.
Cristãos e judeus repovoaram a cidade nos últimos séculos da Idade Média. No século XIX ocorreu uma forte corrente migratória judaica procedente do leste europeu, a tal ponto que, por volta de 1850, a metade da população local era de judeus. Consolidou-se nessa época a divisão da cidade em setores muçulmano, judeu e cristão. De 1917 a 1948, Jerusalém tornou-se a capital da Palestina durante o mandato britânico. Na guerra de 1948 entre árabes e judeus, a Transjordânia (depois chamada Jordânia) incluiu em seu território a cidade velha de Jerusalém e Israel ficou com o restante. Em junho de 1967, durante a guerra dos seis dias, os israelenses capturaram a cidade velha, reunificaram toda Jerusalém e confirmaram sua condição de capital, ratificando uma proclamação de 1950. A declaração do Knesset (Parlamento) de 1980 efetivou a posição de Jerusalém como capital de Israel.
 
Sociedade e cultura
A população de Jerusalém, considerada do ponto de vista religioso, é majoritariamente judaica. Seguem-se em número os muçulmanos, que constituem a comunidade mais homogênea, e os cristãos, que, menos numerosos, são a comunidade mais diversificada (católicos, ortodoxos, protestantes etc.). A cidade é governada por um conselho municipal de 31 membros, eleitos proporcionalmente por um período de quatro anos.
A cidade velha, circundada por uma muralha, encerra os bairros muçulmano, judeu, cristão e armênio e é dominada pelo templo de Herodes, que inclui os lugares sagrados islâmicos do Domo do Rochedo e a mesquita de al-Aqsa. O Muro das Lamentações é o mais sagrado dos santuários judeus. O resto da área compreendida dentro das muralhas tem a feição de uma cidade tipicamente oriental, com mesquitas e um labirinto de ruelas repletas de lojas e bazares. Por toda parte se encontram igrejas cristãs e antigas sinagogas. A parte moderna, que circunda a cidade velha, inclui zonas residenciais, edifícios comerciais e administrativos e vários estabelecimentos de ensino. A característica mais marcante de Jerusalém é a coexistência harmoniosa do antigo e do novo, do sagrado e do secular.
Dentre as inúmeras igrejas cristãs, as do período bizantino caracterizam-se pela monumentalidade; as erigidas na época das cruzadas, pelo estilo românico. A igreja do Santo Sepulcro reúne elementos de ambos os estilos. As construções muçulmanas de mamelucos e turcos são notáveis pela ornamentação em forma de "estalactites".
Na condição de capital de Israel, a cidade desempenha importante função administrativa e de centro comercial e industrial. A Universidade Hebraica, o Centro Médico Universitário Hadassah, a Academia da Língua Hebraica e outras instituições concentram as atividades culturais e científicas. Os santuários atraem numerosos peregrinos das três religiões

Nenhum comentário:

Postagem em destaque

Em 1/3 dos países do mundo é proibido evangelizar

As leis que proíbem a blasfêmia são “alarmantemente difundidas” em todo o mundo, com muitos países estabelecendo punições desproporcionais,...